Capal cresce 17% e faturamento atingirá R$ 1,4 bi

Agronegócio

05 de dezembro de 2018 19:51

Fernando Rogala


Relacionadas

Agronegócio impulsiona atividades econômicas na região

Digital Agro ganha plataforma para promoção de conteúdo

Vazio sanitário da soja no Paraná terá início dia 10 de junho

Conab compra produtos da agricultura familiar na região
Castrolanda celebra Dia Mundial do Leite e destaca resultados
Estiagem no Estado prejudica produção de milho e feijão
Frísia lança Digital Agro Connection para startups
Metas planejadas foram alcançadas neste ano de 2018 pela Capal Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Em reunião que contou com conselhos de Administração e Fiscal foi aprovado o orçamento do próximo ano 


Capal Cooperativa Agroindustrial, com sede em Arapoti, na região dos Campos Gerais, deve crescer 17% no faturamento em 2018, alcançando R$ 1,4 bilhão ante R$ 1,2 bilhão do ano anterior. Anualmente, os conselhos de Administração e Fiscal, Diretoria Executiva, gerências e coordenações da cooperativa se reúnem para uma retrospectiva das estratégias do ano, discutem as metas e lançam o orçamento do ano seguinte. Nesta ocasião, a reunião ocorreu nos dias 23 e 24 de novembro, em Cornélio Procópio.

No primeiro dia do encontro, a Capal reuniu 50 pessoas, entre conselheiros, diretores, gerentes e familiares para assistiram a palestra de Eugenio Mussak sobre o equilíbrio entre vida pessoal e carreira. Além de palestrante, Mussak é professor e empresário. Ele contabiliza cerca de 20 mil aulas ministradas e mais de mil palestras realizadas para empresas, universidades e congressos no Brasil e exterior.

O presidente do Conselho de Administração da cooperativa, Erik Bosch, está otimista quanto ao próximo ano, pois o cenário é diferente. Segundo ele, haverá uma conjuntura positiva no País em 2019, o que envolve o setor agrícola, o mercado interno e externo e o novo Governo Federal.

“Apesar do segmento agropecuário estar em situação melhor que outros, os temores de 2018 estavam na falta de perspectiva quanto aos investimentos. Durante o ano, os ânimos estavam negativos, com medo de investir. Mas, com o novo governo, vemos uma formação ministerial mais técnica e podemos acreditar no futuro. Temos que confiar e investir no Brasil”, afirma Bosch.

O diretor-financeiro da Capal, Marco Rumen, destaca que, mesmo com todas as dificuldades que o Brasil atravessou, a cooperativa conseguirá completar o ano realizando o que foi planejado. A exceção, informa ele, é o setor de carne suína, mas que também traz uma expectativa melhor para 2019. “O ânimo dos investidores está maior no Brasil, além disso, a Rússia começou a abrir mercado para a carne suína brasileira. Apesar de nem todas as plantas do País terem sido ainda contempladas, essa abertura começa a desafogar o mercado interno”, avalia Rumen.


Capal leva em cota inúmeros fatores para fazer a projeção para 2019

Para o orçamento do próximo ano ser apresentado, profissionais da Capal levam em consideração a atual situação do País e do mundo e as perspectivas sobre questões como preço de commodities, mercado, política e fatores que envolvem a cadeia agropecuária. Nessa época, estava, segundo o presidente, “extremamente difícil, seja pela greve dos caminhoneiros ou pelo Governo que não conseguiu trabalhar mais”. Com o tempo, a situação ficou mais clara, segundo ele.



PUBLICIDADE

Recomendados