Paraná deverá colher mais de 35 milhões de toneladas

Agronegócio

12 de março de 2019 20:33

Fernando Rogala

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Região conclui colheita com maior média de produção do PR

Ação de Aliel no Supremo pode paralisar reforma Previdenciária

Evento em Ponta Grossa lança manual sobre solos

Produção de grãos no Paraná teve aumento de 4,3 %
Paraná é recordista na criação de Vacas Vitalícias
ExpoFrísia exalta avanço genético dos animais da região
Renato Greidanus recebe troféu Orgulho do Paraná
Embora haja queda na produção da soja, perspectiva é de incremento na do milho Foto: Cleverson Beje
PUBLICIDADE

Mesmo com quebra na produção de soja, valor é 1,5% mais alto do que o registado na safra anterior no Paraná


A safra paranaense de grãos 2018/2019 deve alcançar a marca de 35,5 milhões de toneladas. Essa é a projeção da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), divulgada nesta terça-feira pela. O número contempla todas as safras, de inverno e de verão, com a produção de todos os grãos, desde a soja e o amendoim até canola, centeio e cevada. Na comparação com a safra anterior, encerrada no final de junho de 2018, o total colhido foi de 34,99 milhões de toneladas, o que representa uma alta de 1,5% neste ano. A projeção corresponde a 15,22% de toda a produção nacional, estimada em 233,3 milhões de toneladas.

Conforme mostram os números, o Paraná é o segundo estado que mais produz grãos no Brasil, atrás apenas de Mato Grosso, onde o valor projetado é de 64,97 milhões de toneladas. O Paraná está logo à frente do Rio Grande do Sul, que deverá retirar 34,66 milhões de toneladas de grãos dos seus campos. Com isso, o Sul é a segunda região que mais produz, 76,7 milhões de toneladas, ou seja quase um terço de todo o país (32,87%), atrás apenas do Centro-Oeste, com 106,13 milhões. No Brasil, na comparação com a safra passada, a estimativa é de uma alta de 2,5%. 

Apesar das dificuldades climáticas, resultando em uma quebra na soja, no arroz e no feijão, o milho teve desempenho positivo, assim como o algodão, em âmbito nacional. No caso da soja, responsável por cerca de 49% da produção nacional de grãos, haverá uma redução de 4,9%, chegando a 113,5 milhões de toneladas. A quebra de safra prevista em 5,8 milhões de toneladas pode ser observada em importantes estados que cultivam a oleaginosa, como Paraná, Goiás, Mato Grosso do Sul e na região do Matopiba, principalmente na Bahia. Mesmo assim, esta é a terceira maior produção já registrada, chegando próximo ao volume total de soja produzidos pelo país na safra 2004/2005. 

Para a segunda colheita do milho, a expectativa é que a produção chegue a 66,6 milhões de toneladas, volume 23,6% superior ao registrado na safra passada. “Esse resultado é reflexo da maior área”, afirma o superintendente de Informações do Agronegócio da Conab, Cleverton Santana. “Com 80% dos grãos já plantado, os agricultores devem destinar 12 milhões de hectares para plantio ao invés dos 11,5 milhões de hectares da safra passada”.


Área plantada é a maior da história

O IBGE também revelou uma pesquisa referente à Safra nesta terça-feira, porém não relacionada à produção, mas correspondente às dimensões. Segundo informou o Instituto, a área semeada na safra 2018/2019 está estimada em 62,9 milhões de hectares e se confirma como a maior já registrada no país. O incremento esperado é de 1,9% ou 1,15 milhão de hectares em relação à safra passada. A previsão é 0,8% inferior à divulgada em janeiro (menos 1,9 milhão de toneladas). A estimativa da área a ser colhida chegou a 61,9 milhões de hectares, com aumento de 1,7% frente a 2018 e queda de 0,3% em relação ao levantamento de janeiro (menos 187,7 mil hectares).


PUBLICIDADE
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização
aRede aRede
aRede
aRede