Cooperativas investem R$ 1 bi na cadeia leiteira

Agronegócio

09 de maio de 2019 20:49

Fernando Rogala

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Paraná supera São Paulo e registra 2º maior VBP do Brasil

Digital Agro chega ao fim com recorde de 8 mil visitantes

Digital Agro discute inovações tecnológica da agropecuária

Ratinho conhece tecnologias para impulsionar o agro
Congresso aprova crédito que garante recursos ao Plano Safra
Governador confirma agenda na Digital Agro nesta quarta
FMC orienta produtores no manejo integrado na Digital Agro
Produção leiteira supera 3 milhões de litros por dia Foto: Arquivo JM
PUBLICIDADE

Valor foi aplicado pelas cooperativas Castrolanda, Frísia e Capal nos últimos oito anos para o desenvolvimento do setor 

A região dos Campos Gerais, considerada uma das maiores bacias leiteiras do Brasil, também sedia uma das maiores empresas do setor de laticínios em âmbito nacional. Trata-se da Unium, marca criada a partir da intercooperação da Castrolanda, Frísia e Capal. O ranking das Maiores Empresas de Laticínios do Brasil, referente a 2018, divulgado pela Associação Brasileira dos Produtores de Leite, coloca a Unium na terceira posição, atrás apenas da Nestlé e Laticínios Bela Vista. Os resultados da pesquisa mostraram uma média de produção de 1.498 litros/produtor/dia entre os cooperados da região

Esse posicionamento foi conquistado ao longo dos últimos anos, fruto de um investimento bilionário. São mais de cinco mil famílias cooperadas e R$ 1 bilhão em investimentos nos últimos oito anos para que os Campos Gerais se tornassem referência no país no segmento. A Unium possui três unidades de processamento de leite, sendo duas delas na região (Ponta Grossa e Castro) e outra em São Paulo (Itapetininga). Juntas, as três unidades contam com 1.088 colaboradores e processaram, em 2018, 1,14 bilhão de litros de leite, o que rendeu um faturamento de R$ 1,77 bilhão no ano passado.

Parte dos investimentos realizados foi consolidado em 2018, somando mais de R$ 120 milhões aplicados. O maior deles foi de R$ 67,5 milhões em Castro, para uma torre de leite em pó, automação, depósito, resfriamento, laboratório, entre outros. Houve ainda o aporte de R$ 40,7 milhões em Itapetininga e R$ 13,45 milhões em Ponta Grossa. Somadas as três unidades, elas têm capacidade instalada para produzir entre 1,4 e 1,5 milhões de litros de leite por dia, totalizando 4,35 milhões de litros diários. Porém, a média processada no decorrer do ano girou entre 1 milhão e 1,15 milhão de litros por unidade, totalizando 3,25 milhões de litros diários. 

O diretor-presidente da Frísia Cooperativa Agroindustrial, Renato Greidanus lembrou que a pecuária de leite tem crescido 10% ao ano nos últimos sete anos, o que triplicou a produção local. "Investimos na industrialização e toda a cadeia ganhou com isso. Um foco fundamental é na qualidade do leite, que anda junto com a produção, com um produto que respeita questões ambientais e sociais, além do bem-estar animal”, acrescentou.


Pecuaristas da região são referência para todo o Estado

Para o secretário de Estado da Agricultura e Abastecimento, Norberto Ortigara, e os pecuaristas da região dos Campos Gerais são exemplos para o Paraná. “Em Carambeí se produz com alta densidade, competência e em busca de desempenho. É uma referência, com vacas que produzem mais de 100 mil litros de leite. O próximo passo é desafogar a produção da região através do processamento. O Governo trabalha com esse planejamento”, disse. De acordo com o prefeito de Carambeí, Osmar Blum, a cidade tem pelo menos 500 produtores com mais de quatro funcionários.

PUBLICIDADE
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização
aRede aRede
aRede
aRede