Região produz quase 70% de madeira para papel e celulose

Agronegócio

17 de setembro de 2019 19:57

Fernando Rogala

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Produtores poderão refinanciar dívidas com juros de 8% ao ano

Governo do Paraná suspende vacinação contra febre a aftosa

Agrônomos contribuem para o desenvolvimento do país

Estimativas indicam safra recorde de grãos
MP do Agro melhora condições de operação do crédito rural
Feira Paraná terá Simpósio de aquacultura
Feira Paraná prevê público superior a 300 mil visitantes
Municípios da região concentram diversas empresas ligadas ao setor Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Produção de grande relevância na participação do Paraná ocorre especialmente em Telêmaco Borba


Foi divulgada oficialmente nesta terça-feira, 17, a versão definitiva do Valor Bruto da Produção Agropecuária (VBP) no Estado do Paraná em 2018. Com a atualização, houve um acréscimo em relação ao provisório de R$ 89,6 bilhões para R$ 89,8 bilhões, número que mostra um crescimento nominal de 5% em relação a 2017. Entre os municípios dos Campos Gerais, basicamente não houve alteração: entre as exceções está Telêmaco Borba, onde o valor cresceu de R$ 332,9 milhões para R$ 339,1 milhões. O estudo revelado, contudo, mostra algumas peculiaridades da região, com destaques em vários setores em âmbito estadual.

Embora a soja seja o maior gerador de riquezas, representando quase 30% do valor gerado no período, outros produtos tem grande participação na produção estadual. Entre eles está o setor madeireiro: segundo o relatório do núcleo regional do Departamento de Economia Rural o produto com maior índice é o de papel e celulose, com 69,7% em relação ao Estado, sendo o com maior participação. No núcleo regional ele representa 7,5% de toda a geração de riquezas.

Neste âmbito, os principais municípios produtores são Telêmaco Borba, Ortigueira, Imbaú Jaguariaíva, Sengés, Arapoti e Piraí do Sul. Conforme o relatório assinado pelo economista Luiz Alberto Vantroba, é a presença de grandes empresas do setor que movimenta esse mercado – especialmente a Klabin. “Em Telêmaco Borba está instalada uma das maiores fábricas de produtos florestais do Brasil, e mais recentemente foi instalada uma nova fábrica do mesmo grupo em Ortigueira. O setor proporciona desenvolvimento, geram empregos, renda, divisas para o país e melhoram a qualidade de vida dos moradores daquela região”, diz. Há, ainda, outras empresas do setor em Piraí do Sul e em Sengés.

Na produção de grãos, os 19 municípios do núcleo regional do Deral produziram 11,2% de toda a riqueza gerada a partir da soja no Estado. A maior participação, porém, é do feijão, com 23,9% em relação ao estado. Ainda no setor de grãos, porém de inverno, a principal cultura é o trigo, seguido pela cevada, aveia branca e aveia preta. Tais produtos representam, para o Estado, 13,6%, 22,1%, 25% e 34,8%, respectivamente.


Fumo e tomate são destaque

Entre as outras culturas, o produto que mais se destaca é o fumo, com participação de 27,6% em relação ao Estado, e 5,4% em relação ao Núcleo Regional. O plantio se concentra em Ipiranga, Ivaí, Palmeira e São João do Triunfo. Nas hortaliças, o principal produto é o tomate, com 25,4% de participação em relação ao Estado, plantado principalmente em Reserva, segundo maior gerador de riquezas (R$ 82 milhões), atrás da soja. Em outro grupo, de frutas, destaca-se a forte participação da ameixa, com 54,1% em relação ao Estado, cultivada principalmente nos municípios de Arapoti, Tibagi e Porto Amazonas.

PUBLICIDADE

Recomendados

IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização
aRede aRede
aRede
aRede