Cooperjovem Frísia reúne mais de mil estudantes

Agronegócio

14 de novembro de 2019 19:41

Fernando Rogala


Relacionadas

Cooperativismo paranaense tem faturamento de R$ 72 bi

Convênio permitirá crescimento da fruticultura em PG

Cooperativas trazem segurança a produtores durante pandemia

Fórum Nacional de Incentivo da Cadeia Leiteira começa dia 6
Sicredi prevê a liberação de R$ 22 bilhões ao Plano Safra
Paraná pode colher 40,9 milhões de toneladas de grãos
Exportação de grãos deve crescer 8,5% no 3º trimestre
Festa de encerramento ocorreu na última quarta-feira Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Programa completa uma década de atuação com o apoio da cooperativa a educadores e educandos para conhecerem e aplicarem os preceitos do cooperativismo nas comunidades


Mais de mil crianças do 4º Ano do Ensino Fundamental participaram da festa de encerramento do Cooperjovem Frísia, programa criado para levar os conceitos cooperativistas às escolas, integrando educadores, estudantes e comunidade. A ação é realizada pela cooperativa, que atua no projeto há exatos dez anos. O encerramento aconteceu nessa quarta-feira (13) no Pavilhão de Exposições Frísia, em Carambeí (PR).

Desenvolvido pelo Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (Sescoop), o Cooperjovem garante a capacitação dos educadores durante o ano todo, colocando o estudante como protagonista de projetos que devem ser realizados no âmbito escolar, mas com efeitos que cheguem a toda a comunidade.

Estiveram presentes no evento o diretor-presidente da Frísia, Renato Greidanus, e a secretária de Educação de Carambeí, Ana Wieslawa. Além desse município, o programa está presente em Ponta Grossa, Tibagi e Imbituva, reunindo 59 professores de 27 escolas e comunidades.

De acordo com o coordenador de Comunicação e Marketing da Frísia, Luciano Tonon, a cooperativa oferece todo o treinamento e capacitação, aplicando os sete princípios do cooperativismo na escola, para o resgate da cidadania. Os princípios são: adesão voluntária e livre; gestão democrática; participação econômica dos membros; autonomia e independência; educação, formação e informação; intercooperação; e interesse pela comunidade.

“A Frísia apoiou as iniciativas que fossem específicas a cada escola e que promovessem impacto para a comunidade. Sempre com o estudante sendo o protagonista, já que esse trabalho reflete também na questão comportamental. São projetos dos mais variados, como horta comunitária, reciclagem, revitalização de locais públicos”, explicou Tonon.


Festa

O encerramento do Cooperjovem Frísia foi com uma confraternização durante todo o dia. Na programação estava a premiação das melhores redações feitas pelos estudantes participantes. O tema era “Por que o programa Cooperjovem merece o Oscar da educação?”, e teve como vencedores Any Vitória Pena Farias, Eduarda Stefany de Lima Luz e Filipe de Almeida Torres, respectivamente primeiro, segundo e terceiro lugares. 

Também fez parte da festividade o grupo Sou Arte, com apresentações que envolveram as crianças presentes.

“A Frísia, desde quando ainda era Batavo, sempre incentivou a divulgação e a aplicação do trabalho cooperativista, se desenvolvendo no agronegócio sem nunca deixar de lado a essência dos pioneiros. Antes mesmo de Carambeí se emancipar, a cooperativa já desempenhava um papel importante para o desenvolvimento da comunidade, e hoje está presente em mais de 30 municípios do Estado e em Tocantins”, lembra o coordenador da Frísia.

Informações da assessoria de imprensa

PUBLICIDADE

Recomendados