PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Região tem três cooperativas entre as 15 maiores do país

Agronegócio

06 de janeiro de 2020 20:10

Fernando Rogala


Relacionadas

Condições climáticas reduzem produtividade do trigo no PR

Governo lança projeto para disseminar a raça Purunã

Quatro cidades da região somam VBP de R$ 5,72 bi

Cooperada integra lista das 100 Mulheres Poderosas da Forbes
Região permite alta produtividade na cevada
Paraná produz R$ 141,6 bi em riquezas no campo
Evento em PG celebra os 5 anos da raça Purunã
Foto: Arquivo JM
PUBLICIDADE

Ranking está dentro da lista das 50 maiores empresas do agronegócio do Brasil, publicado pela Revista Forbes


As três maiores cooperativas agroindustriais dos Campos Gerais são, também, algumas das 15 principais cooperativas do setor no país. A conclusão é da revista Forbes Brasil, que elencou as 50 maiores empresas do agronegócio no Brasil, e que dentro desse ranking, estão algumas cooperativas. Castrolanda, Frísia e Capal, nesta ordem, integram o ranking. Nesta lista das 15 maiores cooperativas do Brasil, dez são paranaenses, com destaque para a Coamo, a segunda nacional, sediada em Campo Mourão, responsável por mais de 15% da safra paranaense de grãos.

Sediada em Castro, a Castrolanda é a maior cooperativa dos Campos Gerais, listada na 10ª posição do ranking da publicação. Com base nos números de 2018 (o balanço de 2019 deverá ser divulgado pelas cooperativas somente entre fevereiro e março, após as Assembleias Gerais Ordinárias), ela teve um faturamento de R$ 3,38 bilhões, valor 16% maior se comparado com o registrado em 2017. O ‘carro chefe’ é o leite, mas também destaca-se na produção de grãos (especialmente a soja), e de carne suína, além de produzir batata e feijão.

A segunda da região e a 14ª do Brasil é a Frísia, sediada em Carambeí, município vizinho a Ponta Grossa. Reconhecida como a mais antiga cooperativa do Paraná, chamada de ‘Batavo’ até 2015, a Frísia acumulou o faturamento de R$ 2,66 bilhões em 2018. Da mesma forma que a Castrolanda, o carro-chefe da cooperativa é o leite, seguido pela produção de grãos, além de leitões.

Já a terceira é a Capal, a 15ª do ranking nacional. Com sua sede em Arapoti, ela integra, junto com as outras duas cooperativas (Frísia e Castrolanda), a Unium, marca de industrialização da intercooperação, responsável pela produção de leite e derivados, carne suína e derivados, farinha de trigo, entre outros produtos. No ano de 2018, a Capal viu seu faturamento subir 18% e chegar à marca de 1,42 bilhão. 

Cabe destacar que, apesar dos crescimentos de dois dígitos em 2018, o ano de 2019  registrou um crescimento um pouco mais tímido às cooperativas paranaenses, de acordo com os dados revelados pelo Sindicato e Organização das Cooperativas do Estado do Paraná (Ocepar). Durante o Encontro Estadual de Cooperativistas Paranaenses, realizado pelo Sistema Ocepar, foi divulgado um crescimento estimado de 1,67% para 2019, em relação aos R$ 83,7 bilhões, atingindo a marca de R$ 85 bilhões. Na comparação de 2018 com o ano anterior, esse crescimento anual foi próximo a 20%


Ranking tem 10 paranaenses

A primeira colocada em âmbito nacional é a Coopersucar. Sediada em São Paulo, a cooperativa do setor canavieiro se destaca pela produção de açúcar e etanol. A receita liquida em 2018 se aproximou dos R$ 29 bilhões, valor que é quase o dobro da segunda colocada, a Coamo (R$ 14,8 bi em 2018). Trata-se de uma gigante nacional, que inclusive deu nome à única equipe brasileira da Fórmula 1, que correu entre os fins dos anos 1970 e início dos anos 1980, comandada pelos irmãos Emerson e ‘Wilsinho’ Fittipaldi.

Depois da Coamo, entre as paranaenses, a lista traz a Cooperativa Lar, quarta colocada, sediada em Medianeira; Cocamar (5ª), de Maringá; Copacol (6ª), de Cafelândia; Agrária (9ª), do distrito de Entre Rios, de Guarapuava; a Integrada (12ª), sediada em Londrina; e a Frimesa (13ª), sediada em Medianeira

PUBLICIDADE

Recomendados