Cooperativismo paranaense tem faturamento de R$ 72 bi

Agronegócio

07 de julho de 2020 19:20

Da Redação


Relacionadas

Capal anuncia vencedores no Prêmio Leite de Qualidade

Soja gera R$ 3,28 bi em riquezas na região em 2020

Região irá colher 3,7 milhões de toneladas de grãos

Irineo da Costa Rodrigues irá presidir o Sindiavipar
Cooperativas do Paraná projetam faturar R$ 200 bi
VBP da região cresce 6,6% e atinge R$ 11,73 bi
UPL entra em operação e conclui seu primeiro ciclo
Resultado é fruto do trabalho de 179 cooperados, reunidos em 62 cooperativas pelo estado Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Resultado é fruto do trabalho de 179 cooperados, reunidos em 62 cooperativas pelo estado 

O Paraná vem ganhando destaque cada vez maior no cenário nacional com suas cooperativas agrícolas. Segundo especialistas, as empresas de grande porte estão ajudando a transformar o estado em um dos mais modernos e eficientes na produção agropecuária.

Os dados apontam que no ano passado, o faturamento de todo o cooperativismo agropecuário paranaense passou dos R$ 72 bilhões. O resultado apresentado é fruto do trabalho de 179 cooperados, reunidos em 62 cooperativas pelo estado.

“O Paraná vem se especializando no agro, que corresponde a quase 80% da nossa pauta exportadora. Das dez maiores cooperativas da América do Sul, sete ficam no Paraná. São vantagens que já temos e podemos potencializar, agregar valor, com biotecnologia e mais ciência para nos tornarmos imbatíveis no abastecimento do mundo”, afirmou o chefe da Casa Civil do governo paranaense, Guto Silva.

Segundo analistas, durante a pandemia as grandes economias globais vão procurar reduzir a dependência da China e buscar novos parceiros comerciais, mais próximos e mais alinhados. O movimento pode beneficiar o Brasil.

“Tenho a convicção que a médio e longo prazo o Brasil vai ter que se reposicionar nesse jogo geopolítico, encostando nos Estados Unidos e outros países estratégicos para poder não só exportar, mas atrair investimentos. Desta forma, podemos nos tornar o novo parque fabril das Américas”, disse Silva.

Para o chefe da Casa Civil do Paraná, mesmo com o cenário de retração causado pela pandemia do coronavírus, este é o momento para investir. “Apesar de todo o quadro negativo, temos que dar um choque de percepção de negócio. No Paraná, nós estamos abrindo uma empresa em 2 horas, antes era preciso 60 dias para ter um CNPJ, é um combate diário contra a burocracia. É preciso mudar a mentalidade e aumentar a eficiência”, afirmou Guto Silva.

PR pretende ocupar nova posição

A nova ordem econômica e geopolítica mundial, que vem sendo desenhada no pós-pandemia, abre espaço para o Brasil ocupar uma nova posição no mercado internacional e uma grande oportunidade para o Paraná ampliar o fornecimento de alimentos do mundo. Segundo Guto Silva, a estratégia para ocupar mercados internacionais foi definida no início da gestão Ratinho Junior, com o projeto de remodelação e modernização da infraestrutura.

PUBLICIDADE

Recomendados