VBP da região cresce 6,6% e atinge R$ 11,73 bi

Agronegócio

29 de julho de 2020 19:11

Fernando Rogala


Relacionadas

Região irá colher 3,7 milhões de toneladas de grãos

Irineo da Costa Rodrigues irá presidir o Sindiavipar

Cooperativas do Paraná projetam faturar R$ 200 bi

VBP da região cresce 6,6% e atinge R$ 11,73 bi
UPL entra em operação e conclui seu primeiro ciclo
Paraná se destaca como líder no país nas exportações de mel
Paraná deverá gerar R$ 100 bi em riquezas no campo
Além da soja e da produção madeireira, o leite está entre os principais produtos da região Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Entre os 26 municípios dos Campos Gerais, 20 apresentaram crescimento na geração de riquezas no último ano. Região produziu 12% de todas as riquezas do estado no campo


A região dos Campos Gerais ampliou a geração de riquezas no campo no último ano de 2019. Somados os valores gerados pela agricultura, pecuária e silvicultura, os 26 municípios dos Campos Gerais movimentaram R$ 11,73 bilhões em riquezas no acumulado do ano passado. Esse valor é 6,62% superior aos R$ 11 bilhões contabilizados em 2018 na região. Os números são do Valor Bruto de Produção Agropecuária (VBP), divulgados pelo Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria da Agricultura e do Abastecimento (SEAB). 

No Estado do Paraná, o montante acumulado em 2019 foi de R$ 97,72 bilhões, número que representa, em termos nominais, o maior valor da história, que teve crescimento de 8,81% na comparação com os R$ 89,8 bilhões contabilizados em 2018. Esses valores consolidados também mostram que os Campos Gerais geram 12% de todas as riquezas do campo no Paraná, mesmo os 26 municípios representando apenas 6,5% do total de 399 cidades. Além disso, entre os 25 maiores VBPs municipais do Estado, sete são dos Campos Gerais. 

Em uma análise mais ampla, o ano de 2019 foi positivo para a maior parte dos municípios, que ampliaram seus VBPs. Apenas seis municípios reduziram, entre eles, Ortigueira e Ivaí, que registraram pequenas quedas, de 0,28% e 0,78%, respectivamente. Depois, se destacaram, com as maiores quedas, Telêmaco Borba (33,6%), Sengés (19,7%) e Imbaú (12%), municípios que têm, em comum, a grande produção florestal, que geralmente apresenta grande variação positiva ou negativa de um ano para o outro, dependendo das áreas de corte. Outro município que teve queda foi São João do Triunfo, onde o principal produto é o fumo. Por outro lado, os municípios que apresentaram maior crescimento do VBP foram Ventania (23,5%), Prudentópolis (20,8%), Reserva (20,7%), Cândido de Abreu (20%), Piraí do Sul (15,1%) e Irati (14,2%). 

O economista do núcleo regional do Departamento de Economia Rural em Ponta Grossa, Luiz Alberto Vantroba, ressalta que são os avanços tecnológicos constantes que permitem o crescimento ano a ano. “O agro é um setor da economia muito pujante, que está na vanguarda, e ano a ano apresenta melhores índices de produtividade, não só na agricultura, mas também na pecuária. O setor representa grande percentual no PIB estadual e nas exportações do Paraná. Por mais que hajam crises, vistas em outros anos, o agronegócio tem alavancado a economia”, ressaltou o economista.

Quanto ao desempenho da região, Vantroba observa que não se tratou da soja, o principal gerador de riquezas da região, que teve queda na produtividade e no valor de venda em 2019, na comparação com 2018, mas a outros produtos e setores. “A região dos Campos Gerais é bastante diversificada. Além do leite, o setor florestal é muito forte. A Klabin, por exemplo, dependendo do ano, ela corta árvores em um município, e dependendo do ano. Então, em 2019, cortaram menos em Telêmaco e concentraram em Reserva, Ventania, e outros municípios”, disse, destacando ainda que os Campos Gerais possui industrialização na pecuária, seja pelas cooperativas ou por grandes empresas privadas.


Castro tem o 2º maior Valor Bruto do Estado do Paraná

O município de Castro, na região dos Campos Gerais, é o segundo que mais gerou riquezas no Estado. Neste ano, o município contabilizou um VBP de R$ 1,72 bilhão, montante 9,49% maior que o valor de R$ 1,57 bilhão registrado em 2018. Tal valor fez o município manter-se na segunda colocação, atrás apenas de Toledo, que teve um VBP de R$ 2,68 bilhões, e à frente de Cascavel, com um resultado de R$ 1,67 bilhão. O resultado de Castro destaca-se pela grande diversificação observada na cidade, com o leite liderando na pecuária e a soja da agricultura, mas também com alto valor agregado tanto na produção de suíno de corte quanto em frango de corte. Como a pecuária tem um valor agregado maior, esse fator, aliado à grande extensão territorial da cidade, puxa pra cima os resultados do município. Depois, no ranking estadual, destacam-se Tibagi (10º), Carambeí (12º), Piraí do Sul (17º), Palmeira (18º), Ponta Grossa (23º) e Arapoti (24º).


Projeção para 2020

Para o VBP de 2020, que será divulgado no próximo ano, mas se refere à safra deste ano, como a de verão, já foi colhida, Vantroba acredita em um crescimento bastante expressivo, especialmente pela soja, que teve uma grande valorização em relação aos anos anteriores e à produtividade, com a produção recorde deste grão neste ano. Há algumas semanas, o próprio secretário de Estado de Agricultura, Norberto Ortigara, ressaltou que o VBP estadual de 2020 deve passar de R$ 100 bilhões, pelo bom desempenho em vários setores.

| Foto:
 



PUBLICIDADE

Recomendados