PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Castro e Carambeí lideram a produção nacional de leite

Agronegócio

01 de outubro de 2021 18:53

Fernando Rogala


Relacionadas

Frans Borg é homenageado com o Troféu Ocepar

Castrolanda celebra nesta terça-feira 70 anos de fundação

Frísia é citada como exemplo na COP26 pela redução de CO2

Castrolanda atinge faturamento histórico de R$ 5 bi
Plantio da 1ª safra de milho está encerrada no Paraná
Conab projeta produção recorde na safra 2021/22
PG se prepara para receber a Feira Paraná em 2022
A alta produtividade nos municípios da região se deve à força do cooperativismo, que investe pesado na evolução da genética Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Carambeí superou Patos de Minas (MG) e se tornou a segunda cidade que mais produz leite no país, atrás somente de Castro


Castro e Carambeí lideram a produção de leite no Brasil. Não é novidade Castro liderar o ranking, afinal é justamente por esse motivo que detém o título de ‘Capital Nacional do Leite’, porém, Carambeí cresceu mais que Patos de Minas (MG), e agora passou a ocupar a segunda colocação nacional. Os dados constam na Pesquisa da Pecuária Municipal (PPM), divulgada na última quarta-feira (29) pelo IBGE. De acordo com o levantamento, a produção de leite de vaca cresceu em 2020 no Brasil, chegando a 35,4 bilhões de litros, um aumento de 1,5% em relação ao ano anterior. O valor de produção atingiu R$ 56,2 bilhões. 

Tanto a produção de Castro quanto a de Carambeí cresceram muito acima da média nacional. Castro, por exemplo, contabilizou 363.915 milhões de litros, um valor 30,0% superior aos 280 milhões retirados no ano passado, o que também mostra um aumento de 83,9 milhões de litros na produção total do líquido, na comparação com o ano anterior. Esse montante retirado rendeu um valor de produção na casa dos R$ 651,4 milhões.

No caso de Carambeí, a alta na produção foi de 24,9%. Se em 2019 foram retirados 180 milhões de litros de leite dos animais, em 2020 esse valor saltou para 224.778 milhões de litros, o que representa um acréscimo de 44,7 milhões de litros em um ano. Em valores de produção, foram R$ 402,4 milhões obtidos. Cabe destacar que a vantagem de Castro para Carambeí (primeiro para o segundo) foi de 139 milhões de litros. Somadas as produção de Castro e Carambeí, de 588.693 milhões de litros, representa 1,66% de toda a produção nacional.

A prefeita de Carambeí, Elisangela Pedroso, afirma que essa posição é motivo de muito orgulho. “É o reconhecimento do potencial produtivo que eleva Carambeí numa posição privilegiada, sendo a segunda maior cadeia produtiva do país. Isso é mérito de todos os pequenos, médios e grandes produtores, que se dedicam à produção de um produto que gera emprego, renda e riquezas ao nosso município. Carambeí é referência no agronegócio e berço do cooperativismo, sede de uma das maiores cooperativas do Brasil, a Frísia”, disse, destacando o apoio do município aos produtores através da manutenção preventiva de 300 quilômetros de estradas rurais.

Patos de Minas (MG) caiu para a terceira posição, com 195,0 milhões de litros, após apresentar uma queda de -0,4% na sua produção, que foi de 195,8 milhões em 2019. O valor de produção, porém, foi de R$ 352,9 milhões, o que representa uma alta de 39,7% na comparação com o ano anterior. A quarta colocada nacional foi Patrocínio, em Minas Gerais, com 175,3 milhões de litros, ao passo que o quinto colocado foi Pompéu, também de Minas, com 138,7 milhões. Patrocínio manteve a posição de 2019, após aumentar sua produção (de 173,1 milhões em 2019), ao passo que Pompéu superou Coromandel (MG), que foi a quinta colocada em 2019, com 124,4 milhões de litros produzidos.

 

Preço pago pelo litro do leite registrou alta de 28,9% em 2020

O preço médio nacional pago ao produtor pelo litro do leite apresentou alta de 28,9% em 2020, chegando a R$ 1,59 por litro. O valor da produção teve um acréscimo de 30,8% em relação ao ano anterior, resultado da combinação de aumentos de volume e de preço, atingindo R$ 56,5 bilhões. A alta no preço do leite, no ano de 2020, tem como motivos fundamentais a elevação do preço da ração e a alta do preço de insumos, especialmente medicamentos, que foram impactados pela valorização do dólar. Minas Gerais continuou líder na produção de leite, com 9,7 bilhões de litros, ou 27,3% do total, nacional, enquanto que o Paraná seguiu na segunda colocação, com 4,6 bilhões de litros.

 

Arapoti supera Ortigueira e se torna maior produtor de mel

Na produção de mel, Arapoti foi o grande destaque nacional. O município dos Campos Gerais, que ocupou a terceira colocação, em 2019, passou a liderar a produção, com 810 mil quilos produzidos em 2020. Ortigueira, também nos Campos Gerais, que foi líder nacional nos anos anteriores, caiu para a segunda colocação, com 720 mil quilos produzidos no ano anterior. Na comparação com 2019, Ortigueira reduziu a produção em 9,4% (75 mil quilos a menos que os 795 mil quilos), enquanto que Arapoti aumentou em 21,4%, apresentando um crescimento de 143 mil toneladas na comparação com as 667 mil produzidas no ano imediatamente anterior. Botucatu manteve os mesmos 675 mil quilos produzidos, e com isso caiu da segunda para a terceira colocação nacional. Em todo o país, a produção nacional de mel atingiu 51,5 mil toneladas, um aumento de 12,5% em relação a 2019, e o valor de produção também aumentou, para R$ 621,5 milhões.

PUBLICIDADE

Recomendados