PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Frans Borg é homenageado com o Troféu Ocepar

Agronegócio

04 de dezembro de 2021 10:26

Da Redação


Relacionadas

Castrolanda assina pacto empresarial contra corrupção

Brasil gerou R$ 1,12 trilhão de riquezas no agronegócio

ExpoCastrolanda é lançada a produtores na Cidade do Leite

Castrolanda registra recorde de produção na Fábrica de Rações
Estiagem causa R$ 16,8 bi em prejuízos no agro paranaense
Tibagi é o município que mais produz trigo no Brasil
IDR-PR realiza quase 90 mil atendimentos em 2021
Borg foi presidente da Castrolanda por 24 anos Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Ex-presidente da cooperativa Castrolanda e diretor da Organização das Cooperativas do Paraná foi homenageado em evento nesta sexta-feira (3)


Um dos responsáveis por disseminar os princípios do cooperativismo na Castrolanda, o ex-presidente da Cooperativa e diretor da Organização das Cooperativas do Paraná (Ocepar), Frans Borg, foi homenageado com o Troféu Ocepar. A honraria foi entregue na manhã desta sexta-feira (3), durante o Encontro Estadual de Cooperativistas Paranaenses.

O Troféu Ocepar é uma homenagem a pessoas e instituições que se destacam pela contribuição ao desenvolvimento das cooperativas e a difusão dos princípios e valores norteiam a filosofia cooperativista. Na edição de 2021, o troféu foi entregue em meio à celebração de 50 anos do Sistema Ocepar e 60 anos do Banco Regional do Desenvolvimento do Extremo Sul.

Cooperativista nato, Frans Borg nasceu na Holanda em 1951 e imigrou aos 2 anos de idade para Castro. Após a formação em Agronomia em 1974, iniciou a sua trajetória na Castrolanda. Em 1984, deixou a Cooperativa para ser produtor de grãos. Mas retornou em 1992 para integrar o Conselho de Administração e, em 1996, assumiu como presidente da organização, cargo que ocupou por 24 anos.

Ao receber o troféu, Frans reforçou que o sistema cooperativista é uma das formas de organização mais justas e equilibradas da sociedade e destacou a importância da educação. “Se queremos continuar a ter um cooperativismo forte, temos que investir em educação, desde as escolas primárias, para que as pessoas sejam educadas para cooperar. Educar para a competição é o princípio para qualquer guerra. Então, vamos educar para cooperar e, assim, educaremos para a paz”.

As informações são da assessoria de imprensa

PUBLICIDADE

Recomendados