PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Novo relatório aponta alta na produção de soja na região

Agronegócio

27 de maio de 2022 18:39

Fernando Rogala


Relacionadas

O fim da Busca Pessoal, revista, enquadro, geral...

Vazio sanitário da soja está em vigor no Paraná

Financiamentos do Plano Safra podem ser retomados

Região terá plantio recorde de cevada nesta safra
Contratações de crédito do Plano Safra superam R$ 252 bi
PG sediará a ‘Caravana FertBrasil’ neste mês
Vazio sanitário da soja começa em 10 de junho no PR
Com a atualização, a regional de Ponta Grossa, entre as 21 do Estado, representará 17% da produção total no Paraná Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Projeção de 3,7 mil quilos por hectare subiu para 3.769. Produção total está estimada em 2,04 milhões de hectares


O Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento (Seab), reviu para cima o volume de produção de soja e a média de produtividade deste grão na região dos Campos Gerais nesta safra 2021/22. Com a colheita 100% concluída há cerca de um mês, foi possível a realização de um levantamento com base nos dados já consolidados, e eles mostraram que a estimativa anterior, de uma produtividade média de 3,7 mil quilos por hectare, estava um pouco subestimada. Agora, esse valor médio é de 3.769 quilos por hectare, ou seja, um valor apenas 0,61% inferior ao rendimento médio da safra anterior, que foi de 3.792 quilos por hectare.

Essa atualização ocorreu, conforme já informou o economista do núcleo regional de Ponta Grossa do Departamento de Economia Rural, Luiz Aberto Vantroba, devido à inclusão dos dados das colheitas mais recentes – que foram justamente aquelas com maior produtividade. As áreas que já tinham sido contabilizadas foram as impactadas mais diretamente pela forte estiagem, que derrubou a produção em âmbito estadual, especialmente no Oeste e Noroeste paranaense. Agora, já houve a tabulação de quem plantou em novembro, e pegou um clima mais favorável na região dos Campos Gerais, resultando em áreas com produtividade média acima dos 5 mil quilos por hectare. 

Com esse rendimento médio, o total produzido nos 19 municípios da regional do Deral agora passa a ser de 2,042 milhões de toneladas apenas na primeira safra deste grão. Como a área plantada foi menor (541,9 mil hectares neste ano, contra 556,5 mil hectares na safra anterior), o total colhido foi 3,21% inferior aos 2,11 milhões de toneladas retirados dos campos em 2021. Ainda assim, a regional é a líder isolada do Paraná, com mais do que o dobro produzido pela segunda região que mais produziu, Campos Mourão, com 966,5 mil toneladas. O rendimento por hectare dos municípios da regional de Ponta Grossa também foi o maior entre as 21 regionais paranaenses – o segundo melhor desempenho foi da regional de Jacarezinho, com 3.650 quilos por hectare.

Com esse aumento na regional de Ponta Grossa e atualizações em outras regiões, o total colhido no Paraná também foi revisto: dos 11,84 milhões de toneladas, agora há a informação da colheita de 12,04 milhões, o que significa um aumento de 1,68%. Contudo, em relação à safra anterior, houve uma quebra de 39,24%, consequência das grandes perdas registradas nas regiões Oeste e Noroeste, onde a média produtiva sequer alcançou mil quilos por hectare. Já com esses valores atualizados, significa que a regional de Ponta Grossa representa 17% de toda a produção de soja do Paraná.


Alta estadual pode ser de 10%

O volume produzido pelos agricultores paranaenses na safra de grãos 2021/2022 pode somar 36,86 milhões de toneladas em uma área de 10,9 milhões de hectares, segundo relatório mensal do Deral. Se confirmado, o volume representa um aumento de 10% em relação à safra 2020/2021, que foi bastante afetada pelo clima. O secretário estadual da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara, destaca que, em que pese os problemas climáticos, como frio, granizo e seca em alguns locais, o Paraná mantém a estimativa de uma boa safra de milho safrinha, estimada em 16 milhões de toneladas. “Essa produção é importante para estabelecer um bom nível de oferta no Brasil, equilibrar os preços e também exportar”, diz o secretário.

PUBLICIDADE

Recomendados