Recuperação de criança considerada 'bruxa' comove as redes sociais

ARede Insana

18 de fevereiro de 2016 10:33

A Rede

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Casal vai ao hospital após usar saco plástico como preservativo

Ibama resgata cobras interceptadas pelos Correios

‘Bandido Gato’ vira modelo e faz 1º ensaio após prisão

‘Fonte de vodca’ chama atenção na Geórgia
Polícia procura professora que engravidou de aluno de 13 anos nos EUA
Mulher desce de carro nua em via pública de bairro nobre em Curitiba
Mulher joga dinheiro na rua na Coreia do Sul. E ninguém pega!
PUBLICIDADE

A foto de uma criança nigeriana está ganhando repercussão nas redes sociais nessa semana. A imagem mostra uma enfermeira dinamarquesa dando água e comida para a criança. O pequeno Hope, de apenas dois anos de idade, foi abandonado pelos pais por ser acusado de ser uma ‘criança-bruxa’. A situação acontece com frequência na Nigéria.

O fenômeno das crianças-bruxas, de acordo com a rede Aquarius, foi catalogado pela ONU (UNICEF-2010) e tem as principais ocorrências naquele país. Recentes, esses casos começaram a acontecer após uma igreja determinar que os filhos são bruxos e responsáveis pela pobreza e miséria da família. Como a maioria dos que lá habitam não possui dinheiro para realizar um exorcismo, as crianças são jogadas e abandonadas nas ruas.

Hope passou cerca de oito meses sozinho e foi encontrado perambulando por uma rua. A criança estava desnutrida, doente e com vermes pelo corpo. A enfermeira Loven, desde que o encontrou, compartilha a evolução da criança e que ela está ficando melhor. Os posts ganham inúmeros compartilhamentos e a enfermeira relatou que Hope está com a saúde estável. Cada progresso é comemorado por ela. "Hoje, ele conseguiu sentar sozinho e até sorriu para nós. Ele é um pequeno e forte garoto", confidenciou ela na rede social.

As informações são do Hypeness e Rede Aquarius.

PUBLICIDADE

Recomendados

IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização
aRede aRede
aRede
aRede