PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Família de empresário continua buscas por avião desaparecido

Campos Gerais

21 de maio de 2014 20:26

Afonso Verner


Relacionadas

Ipiranga recupera estradas rurais e dá suporte a moradores

Irati terá cooperativa para impulsionar a agricultura local

Vapza conquista certificação nacional 'aterro zero'

Telêmaco recolhe toneladas de resíduos eletrônicos
Sengés avança em processo para criação da guarda municipal
Jaguariaíva garante opção de lazer para os moradores
Obra de R$ 40 mi na região impulsiona o desenvolvimento
PUBLICIDADE

A família do piloto Daniel Martins Alves, desaparecido há 92 dias, foi até o Pará para fazer buscas por conta própria na região. Daniel era diretor de um Hospital  Doutor Feitosa em Telêmaco Borba e desapareceu quando viaja em um mono motor da cidade Novo Progresso, no Pará, para o município de Rondonópolis, no Mato Grosso.

Depois que a Força Aérea Brasileira (FAB) encerrou as buscas por Daniel, a família decidiu ir até o local do desaparecimento buscar pistas do empresário. Para André Miguel Sidor Coraiola, cunhado de Daniel, a família precisava "ter uma resposta visual" da situação. "Demos uma chance a nós mesmos de ir até o local. Nós queremos acreditar que ele esteja vivo", revela André.

Suspeita é de acidente

Por se tratar de uma área com mata extremamente fechada, as possibilidades apontadas pelos especialistas é que o piloto tenha enfrentado condições climáticas adversas e um acidente aéreo tenha acontecido. Os familiares de Daniel foram para o Pará no último dia 10 e ficaram na área por quatro dias - a família não descarta as possibilidades de sequestro aéreo.

Índios ajudarão na busca

No local do sumiço do monomotor, os familiares de Daniel fizeram contato com um Instituto Kabu, que cuida da reserva ambiental da localidade. Segundo André, os índios também ajudaram nas buscas - já que a mata é muito fechada e não é possível visualizar quase nada. "Nós fizemos voos pelo local mas é impossível encontrar ou visualizar alguma coisa. Por isso a ajuda dos indígenas do local é impossível", explicou André.

 

PUBLICIDADE

Recomendados