PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Estelionatários tentam aplicar golpe do 'paco' em Castro

Campos Gerais

28 de maio de 2014 14:52

Afonso Verner


Relacionadas

Caminhão pega fogo e mobiliza socorro na PR-151

Imbaú dá início ao programa ‘Saúde da Mulher’

Prudentópolis busca fortalecer a produção de maracujá

Cândido de Abreu garante aporte de R$ 800 mil em recursos
Em Castro, ponte sobre o Rio Ribeira tem obras avançadas
Tibagi garante pagamento do piso salarial para professores
CimSamu realiza transição na operadora de serviços
PUBLICIDADE

A Polícia de Castro, cidade na região dos Campos Gerais, procura dois homens suspeitos de envolvimento em tentativas de aplicar o golpe do 'paco' na cidade. Nessa teça-feira (27/05), um homem chamou a Polícia Militar depois de ser 'assediado' pelos golpistas quando saia de uma agência bancária.

Os golpistas esperaram o homem sair da agência e seguiram a vítima. Um dos golpistas derrubou um pacote no chão - o outro, que vinha logo atrás, apanhou o embrulho. O estelionatário que pegou o pacote disse a vítima que havia R$ 9 mil no embrulho e que queria dividir o dinheiro, no entanto, precisaria de R$ 500,00 'adiantados' para ir até um escritório da cidade.

A vítima percebeu o golpe e fugiu - instantes depois chamou a Polícia Militar. Os policiais fizeram buscas pelas redondezas, mas não encontraram os suspeitos - segundo a própria vítima um dos envolvidos tinha pele morena, estatura mediana e trajava roupas sociais. A Polícia Civil da cidade também vai investigar o caso e procurar os envolvidos na tentativa de golpe - Castro tem registrado um alto índice de tentativas desse tipo de crime.

Golpe antigo e eficiente

O "Conto do Paco" é um golpe de estelionato antigo e amplamente conhecido, no entanto ainda faz muitas vítimas. Existem variações da ação, mas normalmente é aplicado por dois estelionatários que preparam um pacote com folhas de jornal recortadas e dobradas, envolvidas por uma única cédula de dinheiro, dando a impressão de ser um pacote de dinheiro.

Os golpistas ficam nas agências monitorando quem realiza saques e em seguida, montam uma cena: um deles deixa cair o pacote, o outro aparece e rapidamente e pega o volume e tenta uma negociação. Os estelionatários se aproveitam da inocência, ou em alguns casos, da ganância das vítimas - com isso trocam os pacotes por valores em dinheiro bem maiores.

Com informações do Patrulha 190.

PUBLICIDADE

Recomendados