Prefeitos sinalizam deixar MDB caso Requião siga como líder

Campos Gerais

24 de outubro de 2018 22:25

Rodrigo de Souza

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Ingestão de álcool lidera as causas de acidentes no feriado

Parque Histórico oferta curso sobre higiene alimentar

Lideranças exaltam impacto de novo aporte da Klabin 

Prefeitura de Palmeira investe em pavimentação asfáltica
Batida em Avenida deixa um morto e cinco ferido em Irati
Homem leva golpes de machado durante briga
Adolescentes que dançaram sobre túmulo são identificadas
Senador Roberto Requião (esq.) e Moacyr Fadel, prefeito de Castro. Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Prefeitos, vereadores e líderes regionais sinalizam para rompimento com o senador. Prefeito de Castro, Moacyr Fadel assina documento repudiando apoio do partido ao PT estadual.

A aliança do MDB paranaense com o diretório estadual do PT, costurada pelo senador Roberto Requião (MDB-PR), não foi vista com bons olhos pelos demais líderes do partido no Paraná. Nos últimos dias, prefeitos, vereadores e lideranças do interior se posicionaram contra a atitude de Requião, o que gerou uma indisposição dentro da legenda.

Membros do diretório divulgaram um manifesto com críticas a aliança. Dentre os signatários da nota está o prefeito de Castro, Moacyr Fadel. O documento, intitulado ‘PT não, Requião’, afirma que a visita dos petistas à sede estadual do MDB não agradou os membros do partido.

“Não achamos que tenha sido uma ocasião adequada para que pessoas que agrediram o MDB muito recentemente sejam recebidas. Tivemos o candidato ao governo do MDB, João Arruda, atacado pelo candidato Dr. Rosinha – de quem o senador Requião se fez anfitrião”, afirmou a nota. A referência é uma reunião organizada pelo senador paranaense com líderes estaduais do PT dentro da sede do diretório do MDB no Paraná, nos últimos dias, para alinhar um apoio à candidatura de Fernando Haddad (PT) no segundo turno das eleições presidenciais.

Moacyr Fadel afirmou que a atitude foi tomada sem consultar os membros que participam ativamente do partido. “A grande maioria é contra o posicionamento do MDB com o PT. Eu particularmente também não concordo com essa aliança e nem com o que fizeram e os rumos que o partido está seguindo no Paraná”, afirmou Fadel.

O manifesto faz questão de deixar claro que o partido não está alinhado com os petistas. “O PT do Paraná é arrogante tal qual o nacional. Um partido obstinado. O que não se espera, porém, do MDB do Paraná. O MDB do Paraná não pode se confundir com o PT. Muito menos dar aos representantes do PT a impressão de que os dois partidos estão alinhados, porque não estão”, afirma.

O prefeito de Castro afirma que as lideranças que assinam o manifesto e somam quase 100 nomes no interior paranaense, devem apoiar o deputado estadual Antônio Anibelli Neto (MDB) nas eleições internas do partido em dezembro. O apoio é uma tentativa de tirar o grupo político de Roberto Requião da frente do partido.

Fadel afirma que, caso o cenário estadual não seja alterado após o final do ano, existe uma grande possibilidade de que as lideranças do interior abandonem o MDB e busquem um novo partido. O próprio prefeito de Castro, inclusive, garantiu que tomará esta decisão.

Filho de Requião defende postura do pai

O deputado estadual Maurício Requião foi o único a se posicionar oficialmente a favor do senador logo após o manifesto. Através de nota, o filho de Requião afirmou que estranhou as atividades dos militantes “que se dizem do MDB”. “A reunião que desagradou a tantos, não era sobre um partido ou outro. Foi uma reunião suprapartidária que contou inclusive com os partidos da última coligação ao governo do MDB, PDT e PCdoB. A discussão girou em torno da defesa da democracia. Algo natural na sede do Movimento Democrático Brasileiro”, disse. O deputado ainda afirmou que os signatários da carta querem o enfraquecimento do partido no Estado.

PUBLICIDADE
IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização
aRede aRede
aRede
aRede