Tibagi promove Conferência sobre Segurança Alimentar

Campos Gerais

17 de junho de 2019 15:17

Da Redação


Relacionadas

PG e região recebem R$ 50 milhões em ICMS em janeiro

Alunos da rede pública de Castro realizam Prova Paraná

Projeto social é alternativa para abrigos em Carambeí

Guarda Municipal de Castro flagra crime ambiental
Pais pedem ajuda para pagar cirurgia da filha com tumor
Castro aplica 688 doses de vacina contra o sarampo
PRF flagra cinco motoristas bêbados em rodovias da região
PUBLICIDADE

O evento teve como tema 'Comida de verdade no campo e na cidade – o que temos e o que queremos'

Nesta sexta-feira (14), a Prefeitura Municipal de Tibagi, através do Conselho Municipal de Segurança Alimentar, realizou a 2ª Conferência Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional, que reuniu produtores e profissionais ligados à segurança alimentar. O encontro acontece a cada três anos.

A conferência abordou a discussão dos eixos e teve palestra sobre o tema 'Comida de verdade no campo e na cidade – o que temos e o que queremos', ministrada pela economista doméstica da Emater, Jeanne Darke. Ela frisou a importância da atuação do poder público na produção de alimentos. “É interessante que o município está preocupado com esse processo, porque a segurança alimentar não é algo somente que se pense em alimento, por alimento, por produção, ela tem envolvimento com a saúde, o plantio, a nutrição. São vários fatores e é a intersetorialidade entre as entidades e o poder público, que pode contribuir, no caso de políticas públicas, para produção de alimentos”, disse.

Para a presidente do Conselho, Adenair Carvalho de Souza, a Conferência é um momento para discutir sobre temas relacionados a alimentação. “É de suma importância que as conferências aconteçam, até para que se tragam novas pessoas para brigar por uma alimentação saudável, uma alimentação de verdade, porque alimentação de verdade, alimentação segura não é só na nossa casa, é na escola, no restaurante, acontece em todos os ambientes. A gente ainda vai abordar a questão do agrotóxico. Precisamos ver essa questão na segurança alimentar, porque temos que pensar desde o momento que se está colocando a semente, até o momento que vai chegar na mesa”, explicou.

Com informações da Assessoria de Imprensa

PUBLICIDADE

Recomendados