Telêmaco faz ações contra trabalho infantil e mendicância

Campos Gerais

17 de junho de 2019 15:26

Da Redação

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Ultrapassagem proibida acaba em morte na BR-277

Operação conjunta detém dez suspeitos de roubos

Romeiro viaja 1600 km de mula para conhecer Santuário

Rapaz procura hospital após levar tiro no rosto
Batida entre caminhões interdita trânsito na BR-153
Aline Sleutjes conquista R$ 11 milhões para Castro
Festival Multicultural de Castro atrai 3 mil pessoas
O trabalho infantil é estritamente proibido até que o adolescente complete 14 Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

O trabalho infantil é estritamente proibido até que o adolescente complete 14

A coordenadora Centro de Referência de Assistência Social (CREAS), Flávia Bueno da Luz, considerou com bastante positivas as ações realizadas pelos órgãos, em parceria com o Conselho Tutelar, nos dias 13 e 14 de junho, visando orientar sobre a campanha contra o trabalho infantil e a mendicância.

Durante a semana passada foram realizadas ações de panfletagem e abordagem nos pontos comerciais (lanchonetes, restaurantes, agências bancárias, comércio em geral) sobre o tema. A ação foi intensificada na sexta-feira (14). “Foi bem positivo tivemos uma boa adesão da comunidade e do comércio. Eles relataram a dificuldade com crianças que pediam esmolas e não sabiam como agir. Nós os orientamos a acionar o CREAS ou o Conselho Tutelar para que a criança e a família tenham o atendimento adequado”, explicou Flávia, comentando que as pessoas receberam as orientações e tiraram as dúvidas e que a comunidade teve uma boa aceitação aos panfletos de orientação.

Na tarde de quinta-feira (13), no Anfiteatro da Casa da Cultura lotou para a apresentação do espetáculo 'Criança não trabalha, dá trabalho' da Associação Circo Teatro sem Lona. “De maneira bem lúdica explicaram que as crianças não podem trabalhar, teve a presença das pessoas do serviço de convivência, da Assistência Social, das crianças da rede municipal de educação, da comunidade. Foi bem positivo”, finalizou Flávia.


Trabalho Infantil

O trabalho infantil é toda forma de trabalho realizado por crianças e adolescentes abaixo da idade mínima permitida, de acordo com a legislação. No Brasil, o trabalho é proibido para quem ainda não completou 16 anos, como regra geral. Quando realizado na condição de aprendiz, é permitido a partir dos 14 anos. Se for trabalho noturno, perigoso, insalubre ou atividades da lista TIP (piores formas de trabalho infantil), a proibição se estende aos 18 anos incompletos.

A proibição do trabalho infantil varia de acordo com a faixa etária e com o tipo de atividades ou condições em que é exercido.

Até 14 anos – proibição total;

Entre 14 a 16 anos – proibição geral. Admite-se uma exceção: trabalho na condição de aprendiz; entre 16 e 18 anos – permissão parcial. São proibidas as atividades noturnas, insalubres, perigosas e penosas, nelas incluídas as 93 atividades relacionadas no Decreto n° 6.481/2008 (lista das piores formas de trabalho infantil), pois são consideradas atividades prejudiciais à formação intelectual, psicológica, social ou moral do adolescente.

As empresas, de médio e grande porte, são obrigadas a contratar aprendizes em número correspondente a 5%, no mínimo, e 15%, no máximo – do total de empregados cujas funções demandam formação profissional. Contudo, muitas empresas ainda não cumprem a cota.

A aprendizagem profissional corresponde à formação técnico-profissional aplicada ao adolescente ou jovem segundo as diretrizes e bases da legislação de educação em vigor, implementada por meio de um contrato de trabalho especial, denominado contrato de aprendizagem, necessariamente por escrito e com prazo determinado de no máximo dois anos, ou enquanto durar o curso. O contrato deverá conter, expressamente, o curso, a jornada diária e semanal, a definição da quantidade de horas teóricas e práticas, a remuneração mensal e o termo inicial e final do contrato, que devem coincidir com o início e término do curso de aprendizagem, previsto no respectivo programa. Destina-se a jovens de 14 a 24 anos e deve ser compatível com o desenvolvimento físico, moral e psicológico do jovem.

Para o aprendiz com deficiência não se aplica o limite máximo de 24 anos de idade, nem o limite máximo de dois anos de duração do contrato de aprendizagem. Cabe ao aprendiz executar, com zelo e diligência, as tarefas necessárias a essa formação (artigos 62 do ECA e 428 da CLT).

Com informações da Assessoria de Imprensa

PUBLICIDADE

Recomendados

IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização
aRede aRede
aRede
aRede