Arrecadação federal atinge R$ 2,74 bi na região

Campos Gerais

23 de agosto de 2019 21:07

Fernando Rogala


Relacionadas

IML identifica homem morto com golpes de facão em TB

Vítima de acidente de moto é transferida de helicóptero

Rompimento de adutora deixa bairros de Ipiranga sem água

Homem morre após levar golpes de facão na cabeça
Jovem morre no hospital após ser espancado em Tibagi
Pedestre é atropelado ao parar para ver acidente
Centro Cultural Castrolanda realiza “Carnazumba”
O delegado Demetrius de Moura Soares explica que a alta na arrecadação na região é baseada no desempenho industrial Foto: Arquivo JM
PUBLICIDADE

Desempenho do mês de julho foi positivo, contudo ficou abaixo das médias de crescimento do Paraná e do Brasil 


A arrecadação de tributos federais teve mais um mês positivo na região dos Campos Gerais. Em julho, foram obtidos R$ 389,4 milhões em valores fazendários e previdenciários junto aos 62 municípios abrangidos pela delegacia regional da Receita Federal do Brasil em Ponta Grossa. O montante é, em termos nominais (sem considerar a inflação), 4,8% maior que o registrado em julho de 2018, quando a arrecadação alcançou o montante de R$ 371,6 milhões. Considerando o IPCA acumulado nos últimos 12 meses (3,22%), verifica-se um aumento real de arrecadação, de 1,5%, na comparação entre os meses. 

Apesar da alta, a arrecadação regional ficou abaixo do crescimento da nona região fiscal (Paraná e Santa Catarina), de, 6% em nominais e 2,75% reais; e também abaixo do nacional, onde houve uma queda nominal de 7,51%, e real de 4,15% para o mês. O resultado da arrecadação da região é impulsionado pela indústria, porém uma retração na produção impactou, fazendo com que o valor obtido não fosse tão expressivo como foi nos meses anteriores. “Se falar junho, que reflete na arrecadação de julho, o desempenho da produção industrial, tanto em nível nacional quanto do Paraná, foram ruins. No Brasil, houve queda de 5,9%, e no Paraná de 3,3%. Os serviços também não foram bem. Mas a nossa arrecadação tem sido impulsionada pela arrecadação industrial”, explica o delegado da Receita em Ponta Grossa, Demetrius de Moura Soares.

Entre os tributos, o delegado observa que apenas dois ficaram negativados. “O tributo que fez com que nosso crescimento não tenha sido superior foi o Imposto de Renda sobre a Pessoa Jurídica (IRPJ) e a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL). O que ocorre é que o mecanismo de arrecadação desse imposto apresenta uma particularidade, a possibilidade do contribuinte fazer recolhimento por estimativa todos os meses. E ele pode, em determinado mês, fazer um balancete, em que verifica que o que pagou até o momento supera o que ele deveria efetivamente ter pago. E aí ele pode, naquele mês, não pagar”, esclarece Demetrius. A arrecadação fazendária cresceu apenas 1,7% em termos nominais no mês (o que representa uma retração real superior a 1%), de R$ 197,1 milhões para R$ 200,5 milhões, e a contribuição previdenciária teve alta de 8,2%, atingindo R$ 188,8 milhões.

Indústria impulsiona crescimento

No acumulado do ano, o valor arrecadado entre janeiro e julho cresce na casa dos dois dígitos. Mesmo com um crescimento mais contido no sétimo mês do ano, há uma alta nominal na casa dos 11%. Até agora foram obtidos R$ 2,74 bilhões junto aos municípios, enquanto que em 2018 o valor alcançado era de R$ 2,47 bilhões. “Continuamos com uma tendência de crescimento, puxado também pela produção industrial, que está favorável”, observa o delegado na região.

-->
PUBLICIDADE

Recomendados