Fósseis de 400 milhões de anos atraem pesquisadores

Campos Gerais

07 de outubro de 2019 11:00

Da Redação


Relacionadas

Pai e filho morrem em acidente de trânsito na BR-153

DNIT projeta novas obras para rodovias da região

AMCG lança campanha de incentivo ao comércio local

Aliel destina equipamentos e recursos para Rebouças
Profissionais da Saúde de Teixeira Soares são infectadas
Hospital de Irati pede orações por técnico de enfermagem
Imbituva registra duas mortes por covid-19 em um dia
Na última sexta (4), estudantes do curso de Agronomia da Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP) de Bandeirantes, estiveram visitando o sítio Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Sítio paleontológico com fósseis de invertebrados marinhos devonianos fica em Jaguariaíva 

O município de Jaguariaíva é conhecido no meio científico por ser rico em fósseis de invertebrados marinhos devonianos.  A principal fonte buscada para esses estudos fica no trecho do antigo ramal ferroviário Jaguariaíva-Arapoti, lugar que têm atraído até 20 turmas de acadêmicos e pesquisadores por ano.

Nessa sexta (4), a visita foi de estudantes do curso de Agronomia da Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP) de Bandeirantes. Eles foram recepcionados pelo diretor de Meio Ambiente da Secretaria de Agropecuária e Meio Ambiente, Leonardo von Linsingen, coordenadora de Esportes Andressa Wolters e  a chefe de Gabinete, Gisele Siryng.

De acordo com o professor de Geologia e Paleontologia que acompanhava as turmas, Túlio Roberto Pavilhão, em Jaguariaíva é possível aprofundar estudos na área de forma atrativa. “O sítio paleontológico existente na cidade, além de abundante material, tem acesso relativamente fácil, dentro da área urbana, e com escavação artificial da terra feita pela linha férrea. Para mim já se tornou um padrão vir à Jaguariaíva para estas pesquisas”, disse Pavilhão.

Informações Assessoria de Imprensa

PUBLICIDADE

Recomendados