Balança comercial tem superávit de US$ 389,7 mi

Campos Gerais

16 de outubro de 2019 13:30

Da Redação


Relacionadas

Carambeí Digital recebe prêmio Projeto Inovador

Lions Clube presta auxílio para famílias de Carambeí

Caminhão com frutas e verduras tomba na PR-151

Jaguariaíva realiza final do 3º Concurso Receitas Criativas
Saúde de Castro entrega novo módulo na Lagoa dos Alves
PRF apreende 440 garrafas de vinho na região de Irati
Senai abre portas de unidades da região nesta quinta e sexta
Em relação aos dados do mesmo período do ano anterior, o crescimento das exportações foi de 10,6% Foto: Divulgação/UEPG
PUBLICIDADE

Os dados apontam para o terceiro trimestre que compreende o período entre julho e setembro de 2019

O Núcleo de Economia Regional e Políticas Públicas (Nerepp) da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) publicou o último boletim de análise do desempenho da balança comercial dos Campos Gerais. Os dados apontam para o terceiro trimestre que compreende o período entre julho e setembro de 2019.

Em relação aos dados do mesmo período do ano anterior, o crescimento das exportações foi de 10,6%, já as importações apresentaram uma redução de 7,8%, o que fez com que o crescimento do saldo da balança comercial fosse de 20,0%. As exportações da região atingiram US$ 543,8 milhões, enquanto que as importações US$ 154,2 milhões, resultando em um superávit na balança comercial de US$ 389,7 milhões.

Os dados mostram que as exportações de Ponta Grossa (51,7%), Telêmaco Borba (18,5%) e Ortigueira (17,8%) representaram 87,9% das exportações dos Campos Gerais no referido período, atingindo a soma de US$ 478,1 milhões. No lado das importações, Ponta Grossa (83,5%), Telêmaco Borba (5,0%) e Castro (3,5%) foram responsáveis por 91,9% do total importado pela região, somando US$ 141,7.

Enquanto a pauta de exportação é altamente concentrada em produtos de baixo valor agregado, classificados como de baixa tecnologia (82,9%) e não industriais (commodities) (13,2%). A seção mais comercializada foi a de “Resíduos e desperdícios das indústrias alimentares; alimentos preparados para animais”, cujo montante exportado foi de US$ 131,2 milhões, o que representa 24,1%.  A pauta de importação é direcionada para produtos de maior valor agregado, classificados como de média tecnologia (83,0%), sendo a seção de “Reatores nucleares, caldeiras, máquinas, aparelhos e instrumentos mecânicos, e suas partes” a mais importada (US$ 46,6 milhões), com participação de 30,2% do total. Os dados retratam, de certa forma, a baixa competitividade da indústria nacional frente a indústria estrangeira, no que tange à produção de produtos de maior valor agregado.

O principal destino das exportações dos Campos Gerais como esperado ficou com a China, que ocupa a posição de liderança, cujo montante exportado para este país foi de US$ 123,8 milhões, o que representa 22,8% das exportações da região. O segundo e o terceiro lugar são ocupados por Coreia do Sul e Estados Unidos, com participações de 10,7% e 10,1%, respectivamente. Merece destaque a participação da Coreia do Sul na segunda posição, posto que era tradicionalmente ocupado pelos Estados Unidos.

Assim como verificado nas exportações, a China também aparece na dianteira na pauta de importação, consolidam-se como o principal parceiro comercial da região. No período de julho/setembro de 2019, as importações procedentes da China atingiram US$ 21,6 milhões, representando 14,0% da pauta de importação, pouco à frente das participações de Alemanha (12,6%) e Holanda (11,6%).

Acumulado do ano – período de janeiro a setembro de 2019 

As exportações no período entre janeiro a setembro de 2019 ultrapassaram US$ 1 bilhão, enquanto as importações US$ 415 milhões. Essa diferença resultou em um saldo da balança comercial de US$ 603 milhões. Comparando em relação ao mesmo período do ano passado se verifica um crescimento de 86,7% nas exportações, impulsionado, sobretudo pelo aumento das vendas para a China, França e Coreia do Sul, que apresentaram crescimento de US$ 428 milhões em relação ao mesmo período do ano passado. Por outro lado, as importações tiveram um aumento mais tímido de 7,3%.

 

PUBLICIDADE

Recomendados

IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização