Investimento da Klabin gerará 1,5 mil vagas até dezembro

Campos Gerais

14 de novembro de 2019 18:59

Fernando Rogala


Relacionadas

Palmeira atualiza sistema de nota fiscal eletrônica

PM flagra trio com mais de 36 kg de drogas em Castro

Aline viabiliza pontos de internet via satélite para região

Frigorífico nega acusações de denúncias feitas por sindicato
Fadel 'fecha' Castro e anuncia testagem em massa
Paraná estuda criação de geoparque na região Centro-Sul
Família identifica jovem ejetada em acidente na BR-373
Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Investimento realizado nos últimos seis meses pela empresa em Ortigueira já superou a cifra de R$ 700 milhões


A Klabin iniciou, no final do primeiro semestre deste ano, as obras do Projeto Puma II. Maior investimento privado da história do Paraná, com um aporte de R$ 9,1 bilhões no município de Ortigueira, na região dos Campos Gerais, a construção já está avançando. Somados os investimentos realizados no segundo e no terceiro trimestres deste ano (entre abril e setembro), a empresa já aplicou R$ 718 milhões no novo complexo, que está sendo construído ao lado das instalações da Unidade Puma I. A maior parte desse aporte foi aplicada no terceiro trimestre (entre julho e setembro), um total de R$ 430 milhões. 

Com o avançar dos investimentos, a Klabin estima que somente nestes dois últimos meses do ano, entre novembro e dezembro, 1,5 mil vagas de emprego sejam criadas - a grande maioria delas no setor da construção civil. Perto do final do próximo ano, quando deve ocorrer o pico das obras, serão cerca de 10 mil trabalhadores atuando no canteiro de obras, tudo para que a primeira fase da nova unidade esteja concluída até junho de 2021. 

A contratação desses trabalhadores está sendo feita pelas agências do trabalhador de Ortigueira e dos municípios do entorno, Telêmaco Borba e Imbaú. Até o final de setembro, por exemplo, a Klabin informou que a mobilização no local da obra já contabilizou cerca de 2 mil trabalhadores, sendo a maioria, cerca de 60% (1,2 mil), desses três municípios. Dos 40% restantes, 20% são de outras cidades do Paraná (o que inclui Ponta Grossa e outras cidades dos Campos Gerais) e o restante de fora. 

Ao final de outubro, informa a Klabin, as obras avançaram ligeiramente à frente do cronograma inicial, com 6,6% da primeira fase do projeto concluída, e mais de 90% dos principais processos já contratados. Aprovado no dia 16 de abril, o novo ciclo de expansão compreende a construção de duas máquinas de papel Kraftliner, com capacidade nominal de 920 mil toneladas de papel. A primeira fase terá a implantação da 1ª máquina, que produzirá papeis para embalagens de baixa/média gramatura (80 a 200 g/m²). Como a maior parte dos equipamentos será instalada neste momento, serão R$ 6 bilhões aplicados pelos próximos meses. A segunda fase, com a instalação da máquina de papéis de média e alta gramatura (150 a 300 g/m²), será concluída até o segundo semestre de 2023.


Deputado busca ajustes no repasse do ICMS aos municípios

O deputado estadual Tercilio Turini (PPS) cobrou uma definição rápida para o repasse partilhado do ICMS arrecadado pela Klabin com a unidade Puma, em respeito ao convênio assinado pelos municípios produtores de matéria prima que aguardam o recebimento de parte do imposto estadual. Em 2012, 12 municípios assinaram acordo, com a participação do Governo do Estado, estabelecendo que 50% do ICMS seria para o município sede e os demais 50% para os 11 municípios fornecedores da Klabin. A intenção era contemplar os municípios produtores de madeira com uma cota parte do ICMS gerado pela fábrica. Ortigueira, porém, escolhida como sede, não respeitou o acordo e está recebendo todo o ICMS. “O acordo precisa ser cumprido e vamos analisar como ficará com a unidade 2 do projeto Puma da Klabin”, afirma.

PUBLICIDADE

Recomendados