Governo discute retomada com o setor madeireiro

Campos Gerais

18 de maio de 2020 20:46

Fernando Rogala


Relacionadas

Prefeitura de Tibagi proíbe vasos de flores no cemitério

Castro estuda planejamento para retorno às aulas

São João do Triunfo recebe casas novas após quase 30 anos

Ação de saúde já atendeu mais de oito mil caminhoneiros
Voluntários da Copel doam mais 685 cestas básicas
Acidente na BR-153 deixa quatro feridos em Rio Azul
Jovem morre após ser esfaqueado em Castro
Reunião foi realizada com lideranças do setor e representantes do executivo e legislativo Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Empresários apresentaram ao governador pauta para a retomada gradual dos investimentos em todo o Estado


Representantes do setor madeireiro do Estado do Paraná reuniram-se, através videoconferência, com o governador do Estado, Carlos Massa Ratinho Junior, para discutir estratégias para o período de crise, inclusive apresentando pauta para retomada gradual dos investimentos. O setor exerce grande importância no Estado e nos Campos Gerais, empregando cerca de 84 mil pessoas no Paraná. A reunião foi organizada pelo líder do governo na Assembleia Legislativa, deputado Hussein Bakri, e pela Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep), da qual esteve presente o presidente, Carlos Valter Martins Pedro.

No encontro, os empresários apresentaram as iniciativas adotadas desde o começo da pandemia para manutenção das atividades e dos empregos, seguindo as orientações do Governo do Estado, e também requereram a possibilidade de pagamento parcial das contas de energia com créditos de ICMS - pauta que será estudada pela Secretaria da Fazenda. Embora não tenha participado da reunião, o presidente do Sindicato das Indústrias de Serrarias, Carpintarias e Tanoarias e de Marcenarias de Ponta Grossa (Sindimadeira), Leonardo Puppi Bernardi, afirma que essa medida é bastante importante para o setor.

Como lembra Bernardi, o Sindicato das Indústrias dos Campos Gerais fez um requerimento, no início deste mês, para que a Copel deixe de cobrar a energia contratada e passe a cobrar apenas a energia consumida. A medida, na visão dele, é justa neste momento de crise. “Quando você diminui seu consumo, mas fica pagando pela demanda contratada, não tem o que as empresas fazerem. Então nós pleiteamos, via sindicato, que a Copel revise e os empresários paguem somente o que a empresa consumiu, e não o que contratou. Mas é um caso complexo, que foi para a Aneel, porque a concessionária [Copel] não tem autonomia para fazer isso”, diz.

Bernardi ressalta que há três grupos de empresas, com impactos diferentes diante do coronavírus: as grandes (como Arauco e LP, por exemplo), que sofreram com a redução na construção civil, e fizeram redução na jornada, concederam férias ou realizaram demissões; as serrarias, que investiram, mas sofreram grande impacto desde março; e as exportadoras, que se beneficiaram com o dólar em alta, mas que ao mesmo tempo reduziram mercado pela crise do coronavírus ser mundial. Contudo, para ele, o pior já passou e há a perspectiva de retomada.

O governador, por sua vez, também ressaltou que o segmento tem mantido o ritmo de produção com base no comércio exterior, depois de uma queda de 70% no consumo no mercado interno nos últimos meses. “É um setor extremamente importante para economia do Paraná. O Governo do Estado tem criado mecanismos para amenizar os problemas na saúde e na economia, trabalhando de forma equilibrada para gerar o menor prejuízo possível”, afirmou Ratinho Junior.

Também estiveram presentes no encontro o chefe da Casa Civil, Guto Silva e empresários do setor de União da Vitória, Araucária, Guarapuava, Telêmaco Borba e Palmas.

Planejamento é apresentado

O vice-governador Darci Piana também participou do encontro e apresentou o planejamento inicial do Grupo de Trabalho para Coordenação de Ações Estruturantes e Estratégicas para Recuperação, Crescimento e Desenvolvimento do Estado do Paraná, criado para trabalhar a retomada das atividades em parceria com o setor privado. Entre as iniciativas já elencadas estão a criação do selo “made in Paraná” para estimular o consumo regional e recuperar as perdas sociais e financeiras provocadas pela interrupção de atividades;  programa de estímulo aos Arranjos Produtivos Locais (APLs); incentivo à geração de emprego a partir da execução de obras públicas e privadas; entre outros.

Com informações da AEN

PUBLICIDADE

Recomendados