Com 19 casos de covid-19, Imbituva restringe comércio

Campos Gerais

19 de maio de 2020 11:42

Da Redação


Relacionadas

Julgamento do ex-vereador de Ivaí ocorrerá no final de julho

Região deve ter novas medidas contra a Covid-19

Sanepar suspende rodízio no abastecimento em Palmeira

Polícia de Imbituva indicia duas pessoas por morte de jovem
Caminhão carregado com etanol tomba na BR 376
Palmeira confirma primeiro óbito pelo novo coronavírus
PM realiza operação em municípios dos Campos Gerais
Município restringe funcionamento das atividades econômicas para frear avanço da covid-19 Foto: Reprodução/Facebook
PUBLICIDADE

A partir da meia noite desta quarta-feira, apenas serviços essenciais estarão autorizados a abrirem as portas, conforme decreto municipal

A partir desta quarta-feira (20), os moradores de Imbituva encontrarão restrições no comércio e nas atividades econômicas no município. Com 19 casos confirmados, seis deles ainda ativos, a cidade com pouco mais de 30 mil habitantes está em estado de alerta pela pandemia da covid-19 e, por isso, o prefeito Bertoldo Rover assinou o decreto 5.719/2020, que estabelece o funcionamento apenas de serviços essenciais.

O documento publicado em edição extraordinária do Diário Oficial do Município do dia 15 de maio proíbe atividades como feiras, shows e outros eventos que possam ter aglomerações, clubes e associações e comércio ambulante. Além disso, o decreto também estabelece que restaurantes, bares e lanchonetes não poderão receber o público e deverão atender apenas via delivery, assim como o comércio tradicional de rua.

“Tomamos todo o cuidado para não abusarmos de leis, estamos seguindo o que as autoridades maiores recomendam, porque de repente vem uma chuva de processos contra o município e ninguém quer deixar a cidade endividada tomando atitudes que não sejam legais”, explicou o prefeito durante participação no programa Nilson de Oliveira, na Rádio Mundi, na manhã desta terça-feira (19).

Rover também garantiu que todas as medidas adotadas pelo município foram decididas “junto com a sociedade, Conselho de Saúde, equipe de epidemiologia e Promotoria do Ministério Público, para que não haja abuso”.

Além de estabelecer 50 tipos de estabelecimentos que são considerados essenciais, o decreto também prevê as medidas de prevenção que deverão ser adotadas pelos empresários que abrirem as portas, como a disponibilização de álcool-gel para os clientes e funcionários, respeito à distância mínima de dois metros entre as pessoas e higienização constante dos ambientes. Todas as medidas têm validade de pelo menos dez dias, mas podem ser prorrogadas no fim do prazo.

PUBLICIDADE

Recomendados