Julgamento do ex-vereador de Ivaí ocorrerá no final de julho

Campos Gerais

29 de junho de 2020 18:03

Da Redação


Relacionadas

Bandidos roubam malote em Tibagi; veja imagens

Carambeí libera comércio neste fim de semana

Tibagi confirma primeiro óbito por Coronavírus

Trabalhadores do delivery fazem ‘buzinaço’ em Irati
PM realiza operação em cidades dos Campos Gerais
Jaguariaíva amplia distribuição de água na zona rural
Comércio de Carambeí abre neste final de semana
Luisir Lobacz foi denunciado pelo Ministério Público por homicídio duplamente qualificado e por receptação. Crime ocorreu em janeiro deste ano. Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Luisir Lobacz foi denunciado pelo Ministério Público por homicídio duplamente qualificado e por receptação. Crime ocorreu em janeiro deste ano.

A Juíza Dra. Luciana Gonçalves Nunes, da Vara Criminal da Comarca de Imbituva, designou para o dia 27 de Julho de 2020, às 13 horas, o início do julgamento do ex-vereador da Cidade de Ivaí,  Luisir Lobacz, acusado da morte do empresário Everaldo Manfron. O ex vereador LUISIR, foi denunciado pelo Ministério Público por homicídio duplamente qualificado e por receptação.

Conforme a denúncia, no dia 25 de janeiro de 2020, por volta das 08h, nas dependências do Mercado Manfron, em Ivaí/PR, o denunciado agindo com consciência e vontade, matou a vítima Everaldo Manfron, desferindo-lhe diversas facadas, provocando-lhe lesões que causaram a morte, conforme laudo de necropsia.

Segundo o apurado, o denunciado Luisir Lobacz passou a noite ingerindo bebida alcoólica em um bar na frente da residência da vítima, com a qual possuía uma dívida de aproximadamente R$ 30.000,00 (trinta mil reais) e por volta das 06h30min, se aproximou da sacada da casa da vítima e passou a provocá-la e chamá-la para briga, no entanto, sem êxito, eis que a vítima se manteve inerte às provocações do denunciado. Que, após ameaçar voltar ao local, o denunciado retornou em pouco tempo, adentrando nas dependências do mercado e, se dirigindo até o escritório em que a vítima estava, se aproximou e lhe atacou, esfaqueando-a cerca de 13 (treze) vezes, causando a sua morte.

O denunciado agiu por motivo fútil, eis que movido por uma discussão anterior envolvendo a cobrança de uma dívida, além de praticar o ato com recurso que dificultou a defesa da vítima, pois lhe surpreendeu quando encontrava-se concentrado em seu local de trabalho, se aproximando da vitima que encontrava-se sentada atrás da mesa do escritório, portanto encurralada, já que não havia uma via de escape, e então retirou a arma da cintura na parte das costas e lhe desferiu as facadas, sem a mínima possibilidade de resistência, tudo conforme relatórios elaborados pela autoridade policial e imagens de câmeras de segurança.

O Vereador foi acusando ainda do crime de receptação por ter ocultado coisa que sabia ser produto de crime. Consta, que, durante a execução do Mandado de Busca e Apreensão na residência do denunciado, a autoridade policial encontrou um colete balístico de uso restrito, sem a necessária documentação para a sua aquisição.

O advogado Fernando Madureira encarregado da defesa de Luisir informou que o motivo do crime não foi por dívida, devendo o réu esclarecer os fatos no seu interrogatório. E que nesta audiência serão ouvidas as testemunhas arroladas pela acusação e defesa e interrogado o réu. Ato continuo, a Juíza deve decidir se o acusado irá ou não a júri popular. 

PUBLICIDADE

Recomendados