Sindicato identifica irregularidades em frigorífico em Ivaí

Campos Gerais

13 de julho de 2020 20:14

Da Redação


Relacionadas

Dois novos casos de covid-19 são registrados em Palmeira

Campanha Paraná Piá arrecada brinquedos para doação

Colaboradora da CCR se destaca em atendimento nas rodovias

PSD define Denis Sanson como candidato em Palmeira
Patriota oficializa Moacyr como pré-candidato à reeleição
Operação ‘Divisa integrada’ prende 19 pessoas na região
PSD define pré-candidatos para a prefeitura de Irati
Fiscalização ocorreu na tarde desta segunda-feira Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Líder do sindicato esteve no frigorífico junto com a PM. No local, foi encontrado um idoso trabalhando e colaboradores cumprindo horas de expediente além do permitido

O Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Laticínios, Carnes e Alimentação de Ponta Grossa e Região (Stimlaca) se dirigiu, nesta segunda-feira (13), com o apoio da Polícia Militar, até o município de Ivaí, para investigar situações de irregularidades em um frigorífico naquela cidade, localizada na região dos Campos Gerais. Na denúncia, de uma pessoa ligada a um trabalhador, houve a informação de que havia situação de trabalho análoga a de escravidão e de um colaborador com mais de 60 anos, que estaria trabalhando no local – o que é irregular em um local insalubre, de acordo com as medidas de prevenção contra a covid-19. O frigorífico conta com 45 colaboradores e faz abate de bovinos e suínos.

No local, informa o presidente do Stimlaca na região, Luís Pereira dos Santos, denúncias forma confirmadas. “A empresa permitiu que o senhor de 62 anos estivesse trabalhando e orientou ele para não bater o ponto. E pegamos ele no flagrante. Além disso, outros trabalhadores estão submetidos a mesma situação: os trabalhadores estavam extrapolando até 12 horas de trabalho por dia, e tinha uma pessoa do administrativo que batia os pontos nos horários determinados, para não juntar provas, pois em um frigorífico não se pode fazer hora extra, porque é muito prejudicial”, revelou Luís Pereira dos Santos. “Tinha trabalhador que ficava trabalhando até às 23h, e sem bater ponto. Isso é crime”, completou.

Um Boletim de Ocorrência (B.O.) foi feito. “Nós acionamos a Polícia Miliar, para que fosse feito um Boletim de Ocorrência, porque precisamos dessa prova para apresentar ao Ministério Público do Trabalho, para que eles tomem providencias”, informou Pereira. A partir dessa denúncia, o MPT poderá abrir um inquérito contra a empresa. “Lá foi feito o flagrante e agora vamos juntar a documentação e relatos para encaminhar. Haverá mais uma investigação deles [MPT] sobre as informações e talvez chamem o empregador para assinar um Termo de Ajuste de Conduta ou um Inquérito Civil”, completa.

Luís Pereira dos Santos reitera que o sindicato, que representa cerca de 2 mil trabalhadores na região, está aberto para denúncias. “Há empresas que estão se aproveitando desse momento de pandemia para adquirir mais lucro à custa dos colaboradores. Então estamos de olho nisso. Todas as denúncias que chegam nosso sindicato, vamos averiguar”, conclui. 

PUBLICIDADE

Recomendados