PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Remuneração do transporte escolar preocupa AMCG

Campos Gerais

08 de março de 2021 23:00

Da Redação


Relacionadas

Detonações de rochas bloqueiam BR-376

Curiúva alinha propostas voltadas para o esporte

Porto Amazonas reforça parceria com hospital da Lapa

Prefeitura de Castro investe R$ 1,5 milhão no Estádio Caramuru
Jaguariaíva instala três novas academias ao ar livre
Irati promove ação para diversificar produção agrícola
Piraí do Sul fornece kits de alimento para a população
Presidente da associação, Moacyr Fadel (Patriota), destaca algumas dificuldades enfrentadas por alguns municípios da região Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Presidente da associação, Moacyr Fadel (Patriota), destaca dificuldades enfrentadas por alguns municípios da região

O presidente da Associação dos Municípios dos Campos Gerais (AMCG), Moacyr Fadel (Patriota), expôs, nesta segunda-feira (8) algumas preocupações da entidade e dos municípios da região em relação ao transporte escolar.

Em entrevista concedida ao Jornal da Manhã e Portal aRede, o gestor emitiu um posicionamento sobre a respeito da possibilidade de retorno das aulas em formato híbrido e revelou alguns receios que fazem parte da realidade de algumas prefeituras.

“A questão do retorno das aulas foi uma das principais pautas tratadas pelos municípios durante a reunião com representantes da secretaria de educação, ainda no mês de fevereiro”, relembra Fadel. “Acreditamos que, dentro das diferentes responsabilidades, estão preparados para receber os alunos”, destaca o presidente.

A única preocupação exposta pela entidade é em relação ao transporte escolar. De acordo com Fadel, esse receio tem dois motivos. O primeiro é relacionado às possíveis aglomerações envolvendo estudantes que dependem do serviço de mobilidade. O segundo ponto diz respeito ao valor da remuneração do transporte escolar que, segundo Fadel, é muito baixa e, atualmente, não está pagando o transporte da rede estadual de ensino. O presidente ressalta que esta é uma problemática que afeta, essencialmente, os municípios menores.

A reunião junto aos representantes da secretaria estadual de educação, realizada no dia 10 de fevereiro, já alertava para essa questão. Na ocasião, o diretor-presidente do Instituto Paranaense de Desenvolvimento Educacional (Fundepar), Alessandro da Silva Oliveira, destacou que esta pauta já vinha sendo debatida pela pasta responsável pela educação. “Estamos estudando um incremento. Não sei precisar quanto nem quando. Mas está em análise”, garantiu. Segundo alguns prefeitos, o custo do transporte aumentou ainda mais após a implementação dos colégios cívico-militares.


Municípios ainda aguardam validação de consórcio público

Todos os municípios que fazem parte da Associação dos Municípios dos Campos Gerais já confirmaram interesse em participar do consórcio público, que deve viabilizar a compra de novas vacinas para a Covid-19. Segundo Fadel, “A partir do momento em que a legislação consolidada, os municípios terão o acesso à compra das vacinas. Cada gestor poderá tomar uma atitude, não dependendo apenas do governo federal”, afirma.

PUBLICIDADE

Recomendados