PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Região deve construir maltaria de R$ 1,5 bilhão

Campos Gerais

05 de abril de 2021 18:07

Da Redação


Relacionadas

Sleutjes fortalece agronegócio com ministra da Agricultura

Caminhoneiro alcoolizado é detido pela PRF na região

Arapoti debate estratégias para a volta às aulas

Reserva estrutura nova ala para o atendimento da covid
Ipiranga faz planos em conjunto com a Defesa Civil
Porto Amazonas anuncia investimento em escolas
Carambeí interdita escola após casos de covid-19
De acordo com o projeto, a nova indústria será inaugurada em 2023 e deverá produzir 240 mil toneladas de malte por ano Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

De acordo com o projeto, a nova indústria será inaugurada em 2023 e deverá produzir 240 mil toneladas de malte por ano

A região dos Campos Gerais deve receber, em breve, a construção de uma maltaria. A nova indústria terá um investimento de, aproximadamente, R$ 1,5 bilhões e será projetada a partir de uma parceria entre as cooperativas Agrária (Guarapuava), Bom Jesus (Lapa), Capal (Arapoti), Castrolanda (Castro), Coopagrícola (Ponta Grossa) e Frísia (Carambeí).

A fábrica deverá produzir 240 mil toneladas de malte anualmente, volume que hoje corresponde a 15% do mercado nacional. O empreendimento deve gerar mais de mil empregos diretos e indiretos. O local para instalação da indústria ainda está em avaliação. No entanto, existe a possibilidade do novo empreendimento ser construído nas proximidades da PR-151, entre Carambeí e Ponta Grossa.

As cooperativas participantes neste empreendimento já possuem experiência no cultivo da cevada, tendo neste novo negócio o objetivo de fomentar ainda mais esta cultura, oferecendo suporte aos seus cooperados, com base na experiência bem sucedida da Cooperativa Agrária no Centro-Sul paranaense. O potencial de plantio de cevada nos Campos Gerais poderá atingir 100 mil hectares por ano, podendo beneficiar mais de 12.000 cooperados. De acordo com o projeto, a maltaria será inaugurada em 2023.

Fabio Schmidt, engenheiro e técnico em produção de cevada, diretor da empresa Protecta, que faz o fomento do cultivo de cevada na região, informa que a cevada tem ótima adaptação na região, especialmente pela alta tecnologia implantada no agro nos Campos Gerais. Todos os fatores, segundo ele, viabilizam a instalação de uma maltaria na região. “Temos um polo muito grande de produção. Temos bons resultados ultimamente com a cevada, e apesar da falta de água nesta safra, o resultado foi bem positivo em qualidade, com toda produção destinada à indústria cervejeira. Há um grande potencial de produção e o potencial de instalação da indústria é extremamente viável”, acredita.

O especialista esclarece que os municípios com maior produção e grande potencial na região são Ponta Grossa, Ipiranga, Teixeira Soares e Palmeira. E a instalação da unidade poderá multiplicar a área hoje plantada nos Campos Gerais. “Temos potencial grande; tem área que fica sem semeadura de inverno por falta de opção. Então, nós temos o potencial de triplicar a produção na região, sem problemas”, explica.

Com informações da Assessoria de Imprensa

PUBLICIDADE

Recomendados