PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Castro pede ajuda a órgãos de segurança e para conter furtos

Campos Gerais

08 de maio de 2021 16:30

Da Redação


Relacionadas

Prudentópolis decreta luto após centésima morte por covid

Cândido de Abreu avalia uso de pulseiras para conter a covid-19

Porto Amazonas avança em projetos para o Rio Iguaçu

Obras do programa Paraná Trifásico beneficiam a região
Projeto quer proibir fogos com estouro em Piraí do Sul
Castro garante novos insumos para o setor de saúde
Prefeitura de Irati flexibiliza restrições até o mês de julho
Administração municipal contabilizou prejuízos de R$ 600 mil em dois meses Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

 Administração municipal contabilizou prejuízos de R$ 600 mil em dois meses

A Prefeitura de Castro, juntamente com órgãos de Segurança Pública e Judiciário, realizou reunião online na quarta-feira (5) para discutir medidas para conter ações de vandalismo que têm atingido o patrimônio público como furtos de fios elétricos e tampas de bueiros em vias públicas e praças, e de outros materiais em ginásios de esportes. A administração municipal contabilizou prejuízos de R$ 600 mil em dois meses.

O prefeito Moacyr Fadel Junior pediu apoio aos órgãos públicos para que a situação possa ser resolvida de forma rápida. “Não estamos mais conseguindo repor o material que é furtado em vias públicas e arrumar o que é destruído em locais como ginásios de esportes. Minha preocupação é que esses furtos de fios elétricos cheguem aos postos de saúde, onde estão armazenadas vacinas e o prejuízo possa ser ainda maior para a população. Precisamos da ajuda dos órgãos de segurança e do poder judiciário para uma solução”, disse.

O delegado da Polícia Civil, Lucas Mariano, ressaltou que há investigação em curso para identificar os autores e os receptadores desses materiais. Ele solicitou ainda dados da Guarda Municipal sobre as ocorrências.

Representando a Polícia Militar, o tenente-coronel Leonel José Beserra, comandante do 1º Batalhão de Polícia Militar de Ponta Grossa (1º BPM) e a capitã Natália Marangoni de Oliveira, comandante da 3ª Companhia de Polícia Militar de Castro (3ª CPM) destacaram que além de reforçar o patrulhamento ostensivo, pode ser utilizado o trabalho da agência de inteligência para a realização de operação conjunta entre as polícias e a Prefeitura para fiscalizar alvarás e a procedência de materiais em estabelecimentos que compram recicláveis.

A promotora pública Eliana Miamoto, enfatizou a importância da investigação para chegar aos receptadores, além do policiamento ostensivo. Afirmou que o Ministério Público sempre estará à disposição e comprometido com o patrimônio público.

A juíza Maria Tereza Thomaz, disse que se trata de um problema nacional, que o judiciário tem interesse em colaborar, e que a investigação precisa atingir os destinatários finais. Também sugeriu que o município invista em infraestrutura como câmeras de vigilância e iluminação pública.

O prefeito destacou que o Município vai aplicar R$ 8 milhões esse ano com iluminação pública para toda a cidade e que pretende investir em monitoramento por câmeras, inclusive para ajudar no trabalho das polícias. Reforçou a necessidade de unir forças para solucionar o problema no município. “Sei que não somos os únicos a sofrer com essas ações. Mas como prefeito de Castro e presidente da AMCG preciso resolver a situação no meu município e ajudar os municípios da região dos Campos Gerais. Tenho que fazer tudo o que estiver ao meu alcance como gestor, responsável pelo patrimônio público municipal e dar resposta à população. Conto com o apoio de todos vocês nesta luta”, finalizou.

Com informações da Assessoria de Imprensa

PUBLICIDADE

Recomendados