PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Presidente da Paraná Turismo destaca o potencial da região

Campos Gerais

10 de maio de 2021 20:45

Da Redação


Relacionadas

Programa 100% gratuito auxilia empresas a inovarem

Tibagi disponibiliza internet sem fio para escolas e CMEIs

Telêmaco define novo líder do governo na Câmara Municipal

Buraco do Padre faz planos para retomada do turismo na região
Palmeira projeta instalação de novas lixeiras nos bairros
Ortigueira revitaliza estradas localizadas no interior
Programa Feira Verde retoma atividades em Jaguariaíva
João Jacob Mehl aponta as iniciativas que vem sendo adotadas para a recuperação do setor. Estado pretende fortalecer ações publicitárias nos próximos meses Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

João Jacob Mehl aponta as iniciativas que vem sendo adotadas para a recuperação do setor. Estado pretende fortalecer ações publicitárias nos próximos meses

O presidente da Paraná Turismo, João Jacob Mehl, acredita que a regionalização das atividades turísticas é uma das principais estratégias pensadas pela autarquia e pelo Governo do Paraná no processo de recuperação do setor. Em entrevista concedida ao Painel Digital do Portal aRede e Jornal da Manhã nesta segunda-feira (10), o presidente também destaca que a região dos Campos Gerais possui um grande potencial e deve se tornar um grande polo para o turismo em nível estadual e nacional nos próximos anos.

“Tenho essa confiança que a região possa exercer essa importância muito em breve. Nenhuma outra cidade tem tantos atrativos ao seu redor como Ponta Grossa”, diz Mehl, relembrando a importância da implementação dos voos entre o município e as cidades de Foz do Iguaçu e São Paulo, efetivada em outubro de 2020. “A revitalização de Vila Velha é fundamental nesse processo, assim como a valorização dos pontos turísticos localizados nas cidades mais próximas, como Carambeí, Palmeira e Prudentópolis, por exemplo”, ressalta. O presidente também relembra que a chegada de novas fábricas na região também é capaz de estimular o setor por meio do turismo industrial.

De acordo com o gestor responsável pela Paraná Turismo, todo o trabalho desenvolvido desde o início da pandemia é voltado para a valorização do setor em nível regionalizado. “Precisamos fazer com que o ponta-grossense, por exemplo, conheça a Vila Velha, a Lagoa Dourada, o Buraco do Padre e tantos outros atrativos que existem em outros municípios dos Campos Gerais”, explica Mehl. A partir deste ponto, a Paraná Turismo buscou parcerias junto ao Governo Federal. “O Ministério do Turismo já se comprometeu a nos ajudar, através de um convênio, no processo de implementação de uma campanha publicitária em todas as 15 regiões turísticas do estado”, frisa. A iniciativa deverá ser efetivada nos próximos meses.

Com relação aos impactos ocasionados pelo avanço da pandemia, o presidente relembrou um estudo realizado pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomercio-SP). De acordo com a pesquisa, o turismo sofreu prejuízo de R$65 bilhões em nível nacional até o mês de fevereiro deste ano. “Por outro lado, ainda tivemos milhares de hotéis, restaurantes, agências de viagens e empresas de transportes fechando. A queda no número de voos para Curitiba, por exemplo, também foi algo absurdo”, lamenta o gestor. “Estamos tentando recuperar. Seguimos neste processo desde maio do ano passado, pensando em uma recuperação regional, já que ainda não é possível viajar para muito longe”, relembra.


Investimentos feitos pela iniciativa privada são fundamentais

Durante a entrevista, João Jacob Mehl também cita a importância dos investimentos realizados pela iniciativa privada no setor. “Nós precisamos ter pessoas que enxerguem no turismo uma possibilidade. Foz do Iguaçu, por exemplo, passou por esse processo”, destaca o presidente da Paraná Turismo, que também reforçou os projetos e parcerias realizadas pela autarquia para potencializar o turismo rural e religioso. “Hoje, o turismo é uma das áreas que proporciona ao empresário uma recuperação de investimento muito mais rápida. É preciso estimular esse pensamento para que possamos recuperar os bons números que o estado registrou em 2019”, explica.

PUBLICIDADE

Recomendados