PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Expresso Princesa dos Campos avalia retomada do transporte

Campos Gerais

18 de maio de 2021 21:50

Da Redação


Relacionadas

Prudentópolis decreta luto após centésima morte por covid

Cândido de Abreu avalia uso de pulseiras para conter a covid-19

Porto Amazonas avança em projetos para o Rio Iguaçu

Obras do programa Paraná Trifásico beneficiam a região
Projeto quer proibir fogos com estouro em Piraí do Sul
Castro garante novos insumos para o setor de saúde
Prefeitura de Irati flexibiliza restrições até o mês de julho
CEO da empresa, Gilson Barreto, fala sobre os planos efetivados durante a pandemia. Empresa aposta no turismo regional para recuperação Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

CEO da empresa, Gilson Barreto, fala sobre os planos efetivados durante a pandemia. Empresa aposta no turismo regional para recuperação

O Expresso Princesa dos Campos é uma das principais empresas associadas ao transporte de passageiros e encomendas da região e do estado do Paraná. Com uma vasta frota de ônibus disponível, a Princesa também passou por um processo de readequação logística desde a chegada da covid-19. A queda no fluxo de passageiros em 2020 foi uma das dificuldades enfrentadas pela diretoria, que aposta no turismo regional para a recuperação do setor. 

Em entrevista concedida ao Painel Digital, promovido pelo Portal aRede e Jornal da Manhã, o CEO da Princesa dos Campos, Gilson Barreto, falou sobre as estratégias adotadas pela empresa neste período de crise e projetou um cenário mais favorável no futuro. “O transporte de passageiros sofreu muito, especialmente nos primeiros meses da pandemia”, destaca. “Várias prefeituras adotaram o lockdown. Com isso, tivemos que nos adequar rapidamente às realidades de cada município”, explica Barreto, lembrando que o transporte de passageiros e de encomendas é considerado essencial. Com isso, as atividades não foram paralisadas.

“Sentimos imediatamente uma queda de 60% no fluxo de passageiros, aproximadamente”, relembra o CEO. Em contrapartida, o setor de encomendas administrado pelo Expresso Princesa dos Campos recebeu uma grande procura. “Atualmente, nós atendemos de São Paulo até o Rio Grande do Sul com uma frota de caminhões, passando por inúmeras cidades do Paraná. Isso foi um diferencial durante a pandemia”, relata. “Quando as pessoas não podiam circular, a mercadoria circulava de uma maneira muito mais ampla e com segurança”, reforça.

Com relação às medidas de segurança adotadas pela empresa, Gilson relembrou a parceria efetivada com a Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR). A partir dessa aproximação, foi desenvolvido um aparelho sanitizador capaz de higienizar os ônibus em um período de 20 minutos. “Estamos colocando esse processo em prática há mais de um ano”, reforça o diretor, relembrando algumas outras ações que foram implementadas com relação ao distanciamento, controle de passageiros exigidas por cada cidade.

Após a grave redução na procura pelo transporte intermunicipal, a Princesa dos Campos registrou números mais sólidos neste início de ano. “A primeira quinzena de maio teve um fluxo maior e mais constante de passageiros. Em outros meses, tivemos muitos altos e baixos”, avalia o CEO. 

“Conforme os hotéis e todo o restante do aparato turístico volta a funcionar normalmente, nossos clientes voltam. Um segmento afeta diretamente o outro”, destaca. De acordo com Gilson, a região dos Campos Gerais tem todas as condições para fortalecer o turismo local no segundo semestre de 2021. “A proximidade e o desejo de visitar coisas novas são fatores importantes para isso, assim como o avanço da vacinação”, ressalta.


Excursões voltam a ser uma opção

Durante a entrevista, o CEO do Expresso Princesa dos Campos, Gilson Barreto, destacou que a empresa atende os turistas com diferentes planos, que seriam os formatos individual e de grupo. “Após mais de um ano, conseguimos voltar a vender as nossas primeiras excursões. Temos grupos com pessoas já vacinadas fechando ônibus para julho, por exemplo”, destaca Barreto. “Como os destinos para fora do país ainda são uma incerteza, o turismo regional deve se mostrar como um segmento essencial”, avalia.

PUBLICIDADE

Recomendados