PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Covid: Jaguariaíva tem situação mais crítica da região

Campos Gerais

15 de junho de 2021 15:27

Fernando Rogala


Relacionadas

Polícia prende investigados por estupro de menores na região

PRF atende acidente com óbito em Teixeira Soares

Duplicações ampliam segurança na BR-376 na região

Capal doa novos equipamentos para o hospital de Arapoti
Carambeí projeta novo Centro Municipal de Saúde
Piraí do Sul aprova projeto que proíbe fogos com barulho
Ensino municipal de Palmeira retoma atividades na segunda
Jaguariaíva já teve 115 mortos pelo coronavírus Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Entre as 12 cidades da 3ª Regional de Saúde, Jaguariaíva e Porto Amazonas são as únicas com média de três óbitos a cada mil habitantes. Cidades com menos óbitos são Sengés e São João do Triunfo

O município de Jaguariaíva, na região dos Campos Gerais, tem a situação mais crítica quanto às mortes de coronavírus entre as 12 cidades pertencentes à 3ª Regional de Saúde do Estado do Paraná. De acordo com o boletim epidemiológico, publicado na tarde desta terça-feira (15) pelo Governo do Estado do Paraná, através da Secretaria de Estado da Saúde (SESA), a cidade de 35 mil habitantes já registrou 115 óbitos em decorrência do novo coronavírus. Isso significa que para cada grupo de mil habitantes no município, 3,28 pessoas morreram.

O segundo município da regional com a situação mais crítica é Porto Amazonas. A cidade menos populosa da região, com menos de 4,9 mil habitantes, aparece junto ao município de Jaguariaíva como os únicos a atingirem a marca de 3 mortes a cada mil habitantes, com um índice de 3,07 óbitos por mil pessoas. Isso significa que, desde o início da pandemia, 15 mortes pela doença foram confirmadas na cidade.  Já terceira cidade com o maior índice de mortes é Castro, com 210 mortes em um município com 71,8 mil habitantes, o que representa um índice de 2,92 mortes por mil habitantes.

Ponta Grossa, a maior cidade dos Campos Gerais, com 355,3 mil habitantes, registrou, neste boletim da SESA, 977 óbitos (o boletim municipal conta 1.014 óbitos, o que mostra um atraso na atualização dos dados do Estado em relação aos do município). Levando em conta essas 977 mortes, a média é de 2,74 pessoas mortas para cada mil habitantes. Se levados em conta os números municipais, esse índice subiria para 2,85.

Na sequência, aparecem os municípios de Carambeí, com 2,47 mortos para mil habitantes; Piraí do Sul, com 2,34 mortos a cada mil habitantes; e Palmeira, com 2,14 mortos para cada mil habitantes. Depois, aparecem outros três municípios com menos de dois óbitos a cada mil habitantes: Arapoti (1,87), Ipiranga (1,57) e Ivaí (1,43).

Os municípios em melhor situação entre os 12 da regional de saúde são Sengés e São João do Triunfo. Em Sengés, que tem 19,3 mil habitantes, foram registradas 10 mortes, ao passo que São João do Triunfo teve o menor número de mortes, 8, em uma cidade com 15,2 mil habitantes. Nestas cidades, o índice é de 0,51 e 0,52 óbito por mil habitantes, respectivamente, o que, na prática, representa uma morte a cada dois mil habitantes.

PUBLICIDADE

Recomendados