PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Jaguariaíva amplia ações de proteção à mulher

Campos Gerais

22 de setembro de 2021 17:22

Da Redação


Relacionadas

Estado assina convênio com 11 municípios da região

Ivaí aplica mais de R$ 1 milhão em programa educacional

Saúde de Carambeí busca apoio do Governo do Estado

Inadimplência de IPVA atinge 28,3% da frota regional
Teixeira Soares inicia projetos na área de esporte e lazer
Ipiranga adquire equipamento com apoio de Aliel Machado
Programa da Klabin gera emprego e renda em Telêmaco
Recurso de segurança pública permite que a vítima acione rapidamente a Polícia Militar (PM) Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

 Recurso de segurança pública permite que a vítima acione rapidamente a Polícia Militar (PM)

As mulheres de Jaguariaíva que possuem medidas protetivas emitidas pelo Poder Judiciário já podem utilizar o ‘Botão do Pânico’ paranaense (APP-190). Instalado no celular, o recurso de segurança pública permite que a vítima acione rapidamente a Polícia Militar (PM) quando há violação da decisão judicial de afastamento e até mesmo agressões morais e físicas.

O ‘Botão do Pânico’ é resultado do trabalho integrado entre a PM, o Tribunal de Justiça, Assembleia Legislativa, Secretaria da Justiça, Família e Trabalho (Sejuf) e a Companhia de Tecnologia da Informação e Comunicação (Celepar), com parceria dos municípios. Assim como em outras ações em prol da segurança pública, a administração municipal jaguariaivense dá sua contribuição ao trabalho.

Nos atendimentos locais às mulheres que acionam o serviço, representantes do CREAS têm acompanhado a PM. A coordenadora do órgão, Zenaide de Azevedo Fanha, informa que nessas oportunidades são verificadas as necessidades das vítimas, tais como o encaminhamento para atendimento psicológico e outros da Rede de Proteção. Segundo ela, desde agosto, o CREAS já realizou 14 atendimentos neste sentido junto com a PM.

Para contar com o serviço, as Mulheres que possuem a medida protetiva devem fazer uma solicitação junto ao juiz responsável pelo caso. Vítimas que ainda não têm a medida podem solicitar junto à Justiça por meio da Polícia Civil, da Defensoria Pública ou de um Juizado de Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher. Orientações neste sentido podem ser obtidas no CREAS de Jaguariaíva, na Rua Capivari, 384, Cidade Alta.

Com informações da Assessoria de Imprensa

PUBLICIDADE

Recomendados