PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Policial civil aposentado é absolvido pelo Tribunal do Júri

Campos Gerais

23 de setembro de 2021 15:24

Da Redação


Relacionadas

Prazo para inscrição no PSS do Cimsamu termina nesta terça

Estado assina convênio com 11 municípios da região

Ivaí aplica mais de R$ 1 milhão em programa educacional

Saúde de Carambeí busca apoio do Governo do Estado
Inadimplência de IPVA atinge 28,3% da frota regional
Teixeira Soares inicia projetos na área de esporte e lazer
Ipiranga adquire equipamento com apoio de Aliel Machado
Júri aconteceu na cidade de Castro Foto: Reprodução
PUBLICIDADE

Carlos Magno Antunes de Almeida foi acusado pelo assassinato do empresário Laércio Machado Hinselmen, 42 anos

Levado ao Tribunal do Júri da Comarca de Castro, nesta quarta-feira (23), o policial civil aposentado Carlos Magno Antunes de Almeida foi absolvido da acusação de assassinato do empresário Laércio Machado Hinselmen, 42 anos. O Conselho de Sentença acatou a tese de legítima defesa, inocentando-o.

O caso aconteceu em dezembro de 2007, em Carambeí, na região dos Campos Gerais. Na denúncia do Ministério Público consta que por volta das 18 horas, na PR-151, nas proximidades da empresa Harima, por motivo de ultrapassagens, teve início provocações mútuas entre o denunciado, que conduzia um veículo Palio, e a vítima, que dirigia uma camionete F-250. Em virtude das provocações, Hinselmen estacionou sua camionete no acostamento da rodovia, e o denunciado parou seu automóvel logo atrás. Hinselmen, armado com um facão, se dirigiu até o veículo Palio e desferiu um golpe contra o espelho retrovisor do veículo conduzido pelo policial, ferindo-o.

Deste local, os dois se dirigiram a Carambeí. Houve novo desentendimento, quando Hinselmen, ao descer do veículo em direção à Delegacia de Polícia Civil, foi ferido com tiro disparado por Magno.

O policial civil se apresentou à 13ª SDP, entregou a arma e foi afastado de suas funções até a conclusão da sindicância. Neste processo, Magno foi defendido pelos advogados Jorge Sebastião Filho e Pablo Milanese.

PUBLICIDADE

Recomendados