PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Casos de raiva bovina são registrados em Palmeira

Campos Gerais

26 de outubro de 2021 11:15

Da Redação


Relacionadas

Com chegada do Noel, Castro inicia programação de Natal

aRede destaca trabalho dos prefeitos da região

1º BPM realiza operação em Arapoti e Jaguariaíva

Palmeira investe R$ 600 mil em ESF com apoio do governo
Hospital de Cândido de Abreu recebe licença sanitária
Jovem de 17 anos morre após colidir motocicleta contra poste
Sanepar investe R$ 23 milhões em Telêmaco Borba
Ambos os casos foram notificados pela Adapar após as amostras serem encaminhadas pelos veterinários que atenderam os animais. Foto: Ernesto de Souza/Ed. Globo
PUBLICIDADE

Ambos os casos foram notificados pela Adapar após as amostras serem encaminhadas pelos veterinários que atenderam os animais

Na última segunda-feira (25) foram notificados dois casos de raiva bovina em Palmeira, sendo um na área urbana e um na região da localidade do Lago, fato que colocou a Vigilância Ambiental do Município em alerta. A grande preocupação é que o vírus está caracterizado com circulação em área urbana, próximo a espécies carnívoras domésticas, como cães e gatos, tornando-se uma ameaça até mesmo para seres humanos.  

Ambos os casos foram notificados pela Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar), após as amostras serem encaminhadas pelos veterinários que atenderam os animais. Um dos animais que teve a doença diagnosticada faleceu logo após o aparecimento dos sintomas, enquanto o outro precisou ser eutanasiado para evitar e interromper a transmissão do vírus, visto que a doença é fatal em quase 100% dos casos. 

Devido aos novos casos registrados em Palmeira, a Vigilância Ambiental pede a conscientização da população sobre a importância de vacinar seus animais domésticos contra a raiva, pois como não existe cura para a doença, a prevenção é a melhor estratégia para combate-la. 

A vacina antirrábica é obrigatória para cães e gatos e é a única forma de prevenir a enfermidade e manter os animais saudáveis. Os cachorros devem receber a primeira dose aos 6 meses de idade ou conforme a recomendação do veterinário. Geralmente a vacina é ministrada uma semana após a primeira dose da óctupla e o reforço deve ocorrer anualmente. Já nos gatos a aplicação da vacina deve ser feita uma semana após a terceira dose da vacina quíntupla e o reforço deve ser anual. 

A transmissão da raiva ocorre através de mordidas, lambidas ou machucados causados por mamíferos infectados. Apenas o contato com a pele do animal infectado não oferece riscos. 

A raiva 

A raiva é uma doença infecciosa causada por um RNA vírus do gênero Lyssavirus. É uma doença extremamente grave, e uma vez diagnosticada, possui uma taxa de mortalidade de quase 100%, porque ainda não há um tratamento verdadeiramente eficaz em grande escala. A vacinação é a única maneira de limitar o desenvolvimento desta doença.  

Há duas formas principais da doença: a raiva urbana, transmitida principalmente por animais domésticos, como cães e gatos, e a raiva silvestre, cujo reservatório são animais selvagens e carnívoros. No Brasil, a raiva tem sido diagnosticada em mamíferos silvestres, como morcegos, cachorro do mato, raposa, guaxinim, furão, diversos felinos, saguis, macacos, etc. A doença não era registrada no Paraná desde 1987, até que em 2018 foi notificada uma morte de raiva humana no estado. 

Os principais grupos de risco para a doença são os das pessoas que moram em locais próximos a regiões selvagens que tenham contato com animais como morcegos, lobos, gatos-do-mato, etc. Profissionais que lidam com animais, como veterinários e zootecnólogos, também têm risco de contrair a doença.

Com informações: Assessoria de Imprensa.

PUBLICIDADE

Recomendados