PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Setor de Biomassa Florestal favorece indústrias da região

Campos Gerais

26 de outubro de 2021 17:19

Da Redação


Relacionadas

Palmeira investe R$ 600 mil em ESF com apoio do governo

Hospital de Cândido de Abreu recebe licença sanitária

Jovem de 17 anos morre após colidir motocicleta contra poste

Sanepar investe R$ 23 milhões em Telêmaco Borba
Castro inicia programação de Natal nesta sexta-feira
Coral do Instituto Vida fará apresentação em Carambeí
Azul amplia voos no Paraná; veja os novos destinos
Vale do Tibagi investe na produção de pellets de madeira e inicia exportação após parceria com IST em Celulose e Papel Foto: Gelson Bampi / Divulgação
PUBLICIDADE

Vale do Tibagi investe na produção de pellets de madeira e inicia exportação após parceria com IST em Celulose e Papel

O setor de Biomassa Florestal tem acompanhado grande evolução como opção energética. Nesse cenário, os pellets de madeira vêm recebendo papel de destaque. Pertencentes à classe das Biomassas, são combustíveis sólidos produzidos a partir de fontes renováveis e reconhecidos com uma fonte importante de energia, sendo elaborados a partir de resíduos prensados de madeira proveniente de florestas renováveis.

Os pellets tem grande contribuição para a correta gestão dos resíduos florestais e um mercado maior na Europa, onde governos vêm buscando alternativas renováveis para a substituição de poluentes a base de petróleo. O material pode ser utilizado para geração de energia elétrica em plantas industriais bem como para aquecimento de ambientes residenciais e comerciais.

A Vale do Tibagi, indústria de Telêmaco Borba que faz atividades de logística, serviços florestais e produção de pellets, está em um local muito propício e tem acompanhado um crescimento do setor nos últimos anos. Na região, há indústrias que tem como matéria prima a madeira, o que gera resíduos que podem ser base para a fabricação dos pellets, como a serragem e maravalha. Além da região, um dos fatores que fez com que a empresa crescesse foi a constante busca pela inovação e a parceria com o Instituto Senai de Tecnologia (IST) em Celulose e Papel, que possibilitou a abertura para o cenário de exportações. 

Miguel Eduardo Berguer de Almeida, supervisor da Vale do Tibagi, esclarece que a parceria começou há 6 anos, quando o Instituto deu apoio técnico para conseguirem uma matéria prima de qualidade. “Com os estudos do Senai, pudemos melhorar significativamente nossa qualidade, identificando os pontos de melhoria, garantindo nossa matéria prima para fabricação do pellet e com isso conseguimos manter um padrão de qualidade do produto, conquistando um importante espaço no mercado de exportações”, relata.

Durante os anos de troca com a Vale do Tibagi, o IST apoiou a empresa com o controle de qualidade de seus produtos, mas Elines lembra que a parceria vai muito além de ensaios laboratoriais. “O Instituto também ofereceu suporte técnico para alinhamento da produção dos pellets, buscando otimizar a eficiência, como resultado foi possível obter um ótimo incremento na capacidade de produção. Já participamos juntos de eventos e recentemente fechamos um contrato anual para a prestação de serviços”, diz Elines.


Instituto dá suporte para empresas

O IST em Celulose e Papel faz parte de uma rede de sete institutos de tecnologia do Senai presentes no Paraná e apoia a indústria com a oferta de ensaios laboratoriais e relatórios técnicos, pesquisa aplicada e projetos de inovação com temas relacionados à Economia Circular, Celulose, Papel, Nanocelulose, Biomassa, Desenvolvimento de novas aplicações para resíduos lignocelulósicos, entre outros. Com o início de suas atividades em 2013, o Instituto já apoiou muitas empresas e aprovou junto às indústrias mais de 40 projetos de inovação.

Com informações da Assessoria de Imprensa

PUBLICIDADE

Recomendados