PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Cidades da região elaboram plano de desenvolvimento

Campos Gerais

19 de novembro de 2021 14:50

Da Redação


Relacionadas

Telêmaco se organiza para receber etapa da Transparaná

Ventania recebe novo aparelho para auxiliar o setor de saúde

Tibagi divulga cronograma de eventos para o fim de ano

Ação realizada em São João do Triunfo ganha prêmio estadual
Sanepar inicia 'Reserva Hídrica do Futuro' em Porto Amazonas
Prefeito de Piraí avalia projetos junto à Câmara Municipal
Plano Diretor de Carambeí traz diretrizes para o futuro
Diagnóstico dos Campos Gerais aponta potencialidades e norteia novos projetos de fomento econômico Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Diagnóstico dos Campos Gerais aponta potencialidades e norteia novos projetos de fomento econômico

Representantes de 18 cidades da Associação dos Municípios dos Campos Gerais (AMCG) e de Cândido de Abreu participaram, nesta quinta-feira (18), da Oficina de Diagnóstico do programa ‘Paraná Produtivo’, da Secretaria de Estado de Planejamento e Projetos Estruturantes. Esta foi a primeira etapa do projeto, que deve ter continuidade nos próximos meses e garantir a criação do Programa de Desenvolvimento Regional Integrado (PDRI) dos Campos Gerais. “Nosso objetivo é gerar prosperidade para a região”, explicou o coordenador geral da Secretaria, Marcelo Percinotto.

Conforme o coordenador, são duas as estratégias para a construção do programa: o protagonismo regional para o desenvolvimento econômico e sustentável; e a efetividade das ações. “Nesta oficina definimos ‘a cara’ da região, o que é mais importante”, disse, lembrando que nas próximas etapas serão estabelecidas as oportunidades além das potenciais parcerias para a construção do plano. “Vamos estabelecer governança e trazer apoio”, disse.

A oficina de diagnóstico teve início com a apresentação do Banco de Informações Regionais, disponível na plataforma do Paraná Produtivo, pelo economista João Tonin. “Conseguimos enxergar uma grande diversificação na geração de riquezas da região”, apontou, citando o potencial agropecuário, que representa 14,2% da riqueza da região. O PIB per capta dos Campos Gerais também foi ponto de destaque, pois é 6% maior que o restante do Estado.

Com base nos dados, os participantes da primeira oficina iniciaram debate sobre a priorização de recursos que deve pautar as próximas etapas do programa. O resultado do encontro será apresentado e discutido na Oficina de Oportunidades, agendada para o dia 2 de dezembro. Para o economista, com base nos dados, a região deve olhar para o desenvolvimento de setores chave quanto aos insumos locais, a industrialização de produtos da região, ampliar estabelecimentos no setor do turismo, além de realizar ações para garantir a manutenção das empresas, por exemplo.

PUBLICIDADE

Recomendados