PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

Geada não trará perdas a agricultores da região

Campos Gerais

19 de maio de 2022 20:07

Fernando Rogala


Relacionadas

Tibagi abre unidade do INSS na próxima quinta-feira

Lideranças destacam relevância do agronegócio para a região

Grupo aRede lança a 13ª edição do livro-anuário

Aliel entrega reforma de ginásio em Irati e recursos para a região
Polícia investiga furto de obras de arte da Casa da Cultura
Ratinho e Elisangela exaltam anúncio da fábrica da Ambev
Castro conclui etapa de obras estrada do Socavão
O milho tem 18% da área plantada em floração, 80% em frutificação e 2% em maturação Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Frio registrado na última terça-feira não trouxe impactos em cultivos de verão devido à avançada fase dos ciclos 


A forte onda de frio que chegou no país nesta semana, trazendo geadas para estados brasileiros de forma precoce em maio, não deverá trazer grandes impactos na produção agrícola dos municípios da região dos Campos Gerais. Na terça-feira, dia 17 de maio, os municípios registraram as menores temperaturas do ano, com a geada se formando na região mais baixa de alguns municípios. Embora ela tenha atingido culturas de verão ainda no campo, como o milho, o feijão e a batata, pela fase de desenvolvimento que esses cultivares se encontram, dificilmente ocorrerão perdas, informam profissionais do Departamento de Economia Rural (Deral).

“Na terça-feira, registramos 1.8°C, então teve geadas, mas de fraca intensidade, principalmente nas áreas mais baixas. A soja de segunda safra já foi toda colhida, então está fora de cogitação, então, de grandes culturas no momento, no campo, são só o milho, a batata e o feijão”, informa Luiz Alberto Vantroba, economista do núcleo regional do Deral em Ponta Grossa. Em âmbito estadual, o Deral informou, através do boletim semanal, que não há o registro de perdas expressivas em lavouras, justamente pela intensidade da geada ser fraca.

Desses três cultivares hoje em campo na região, o milho é o mais susceptível por estar em uma fase ainda intermediária do desenvolvimento, e não tão avançada, como ocorre com o feijão e a batata. “Do milho, 18% da área plantada está em floração, 80% em frutificação e 2% em maturação. Então algumas áreas estão mais susceptíveis à geada, que é o florescimento e o enchimento de grãos. Mas as áreas com maior área plantada estão justamente nos municípios mais ao norte da regional, onde a geada foi ainda menor ou nem foi registrada, como Ventania, Arapoti e Tibagi”, informou. 

Já o feijão e a batata estão com 40% em fase de frutificação e 60% em fase de maturação, sendo que a colheita da batata já foi deflagrada. “O feijão já está em fase bem adiantada de desenvolvimento, na fase final de frutificação e maturação, então, nas áreas atingidas, não causou problema, porque as vagens já estão formadas. E na batata é uma área pequena: como já foi dado início à colheita, é provável que, se houverem perdas, não foram significativas”, completa o economista do Deral na região.

De acordo com o boletim estadual, está mantida a última projeção do Deral de se produzir 605 mil toneladas em 301 mil hectares no Paraná. A alteração que se percebe, para esta segunda safra, é que o feijão-preto ganhou mais espaço em relação ao tipo cores, devido aos preços convidativos do início do ano.


Frio é benéfico para cultivares

No caso dos cultivares de inverno, apenas o trigo e a cevada começaram a ser plantados. Ainda em baixa intensidade, como ocorre em outros anos, pelo fato da região ser mais ao sul do Paraná, pelo receio de fortes geadas em agosto, que podem trazer grandes perdas ao cultivar. Nessa área que já está plantada, porém, como explica Vantroba, pelo fato de serem cultivares de inverno, são mais resistentes ao frio. O boletim do Deral, aliás, aponta que a atual onda favorece a aclimatação e estimula o perfilhamento. Além disso, informa que temperaturas negativas controlam a população de insetos e plantas que poderiam prejudicar o cereal - nesse caso, a geada contribui para a redução no uso de produtos de combate às pragas aos triticultores.

PUBLICIDADE

Recomendados