PUBLICIDADE

AMCG faz parceria e dá apoio para cidades de menor porte

Programa do Governo do Estado pretende atender demandas dos municípios com menos de 30 mil habitantes

Programa do Governo do Estado pretende atender demandas dos municípios com menos de 30 mil habitantes
Programa do Governo do Estado pretende atender demandas dos municípios com menos de 30 mil habitantes -

Da Redação

@Siga-me
Google Notícias facebook twitter twitter telegram whatsapp email

Programa do Governo do Estado pretende atender demandas dos municípios com menos de 30 mil habitantes

As instituições que ficarão responsáveis pela implementação do Escritório de Projetos de Engenharia da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) na região estiveram reunidas na manhã desta quarta-feira (22) para alinhar as primeiras ações. Denominado ‘Projetek’, o programa do Governo do Estado tem como objeivo atender as demandas de municípios de pequeno porte que possuem menos de 30 mil habitantes. 

Da Associação dos Municípios dos Campos Gerais (AMCG), região de abrangência do escritório da UEPG, 14 dos 19 municípios serão contemplados. São eles: Arapoti, Carambeí, Curiúva, Imbaú, Ipiranga, Ivaí, Ortigueira, Piraí do Sul, Porto Amazonas, Reserva, São João do Triunfo, Sengés, Tibagi e Ventania. “O Projetek vem atender a uma necessidade essencial dos municípios de pequeno porte, que, na maioria das vezes, não contam com profissionais para fazer este tipo de projeto”, exalta o presidente da AMCG e prefeito de Piraí do Sul, Henrique Carneiro.

O escritório contará com bolsistas de iniciação científica e bolsistas técnicos, além de professores coordenadores. Estudantes e profissionais deverão atuar na realização de projetos executivos de engenharia, com foco nas edificações públicas. “Será uma ação de ‘ganha ganha’. Vamos fazer a diferença na área de projetos”, antecipa o reitor da UEPG, Miguel Sanches Neto, citando os benefícios para as Prefeituras e para os alunos, que terão vivência de atuação na área pública.

Conforme a coordenadora do programa, professora Patrícia Kruger, as instituições parceiras locais terão papel essencial para a efetividade das ações do escritório. “A AMCG será o canal que irá demonstrar a demanda real dos municípios”, esclarece. Além da Associação, a coordenadora já elencou o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (Crea), do Conselho de Arquitetura e Urbanismo (CAU), o Paraná Cidade, a Superintendência Geral de Tecnologia e Ensino Superior do Estado e a Fundação Araucária como apoiadores. A Fundação de Apoio ao Desenvolvimento Institucional, Científico e Tecnológico (FAUEPG) ficará responsável pela administração e gerenciamento de recursos.

As unidades do Projetek irão utilizar tecnologia BIM (sigla em inglês para Building Information Modeling ou Modelagem de Informações da Construção, em tradução livre), um conjunto de técnicas e processos, que possibilita a atuação simultânea e colaborativa das áreas envolvidas nos projetos de edificações e instalações. Para o engenheiro da AMCG, Lucas Hyckzy, os escritórios do Projetek deveriam ainda atuar na capacitação dos técnicos municipais quanto a utilização da nova tecnologia. “Além da melhoria nas obras, o sistema irá facilitar a adequação do dinheiro público nas obras municipais”, avalia.

O Governo do Estado garantiu aporte de R$ 2,45 milhões, para implantação de escritórios de projetos de engenharia nas universidades estaduais do Paraná. Os recursos são oriundos do Fundo Paraná de fomento ao desenvolvimento científico e tecnológico, gerido pela Superintendência Geral de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Seti). 

Parceria deve render novos frutos para a região

Na última semana, em reunião com o reitor da UEPG, Miguel Sanches Neto, o presidente da AMCG, Henrique Carneiro, elencou algumas demandas dos municípios, que podem contar com o apoio da instituição de ensino superior. “Entendemos a Universidade como instituição regional. Por isso achamos importante essa aproximação. Além de capacitar os alunos, podemos estender a qualificação em nossos municípios”, esclarece o prefeito. De acordo com o reitor, o desenvolvimento regional já estava nos anseios da nova gestão da UEPG. “Apesar de ter Ponta Grossa no nome, sabemos do âmbito atingido pela Universidade. A relação com os municípios é fundamental para nós”, disse.

Com informações da Assessoria de Imprensa

PUBLICIDADE

Conteúdo de marca

Quero divulgar right

PUBLICIDADE