“Operação de guerrilha”, diz Sandro Alex sobre HC de Lula

Cotidiano

09 de julho de 2018 14:54

Da Redação


Relacionadas

RodoNorte integra campanha de conscientização sobre queimadas

Menino morre após choque elétrico na região de Irati

Incerteza da economia cai pelo quinto mês consecutivo

Em dois meses, 5.300 cães e gatos são castrados no Paraná
Inscrições para o Concurso Café Qualidade terminam sexta-feira
Prazo de entrega da declaração do ITR acaba hoje
Mega-Sena sorteia hoje prêmio de R$ 60 milhões
PUBLICIDADE

Deputado federal divulgou um vídeo no Twitter em que fez duras críticas às decisões judiciais que quase determinaram a liberdade do ex-presidente da República

O deputado federal Sandro Alex (PSD) fez duras críticas a ‘quase’ soltura do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva (PT) durante este domingo (8). Em um vídeo divulgado no Twitter, Sandro classificou a operação como algo que lembrava “táticas de guerrilha”. O parlamentar classificou ainda como uma “operação orquestrada e dissimulada” da defesa do ex-presidente da República.

Sandro fez menção à série de decisões que quase viabilizaram a liberdade do ex-presidente, preso na sede da Polícia Federal em Curitiba – o habeas corpus (HC) requerido por três deputados petistas foi concedido na manhã de domingo pelo desembargador Rogério Favreto, mas acabou sendo suspenso no mesmo dia.

A disputa judicial contou com a participação de Sérgio Moro, juiz federal que atua nos casos da Lava Jato, que determinou que o HC não fosse cumprido, e também do presidente do Tribunal Regional Federal (TRF) da 4ª Região, com sede em Porto Alegre, Thompson Flores.

“A operação envolvendo a soltura de Lula lembra muito as táticas de guerrilha, isso vem da origem do partido e dos membros do PT. Foi algo orquestrado e dissimulado que só não aconteceu pela lucidez que ainda há presente no Poder Judiciário, mesmo diante da crise”, disse Sandro no vídeo.

Na visão de Sandro Alex, que é formado em Direito pela Universidade Estadual de Ponta Grossa, a soltura de Lula seria tanto “ilegal”, como “imoral”.

Kalisnoki se disse “revoltado”

Na Câmara Municipal, os vereadores Eduardo Kalinoski (PSDB) e George de Oliveira (PMN) lamentaram a decisão de conceder a liberdade ao ex-presidente. “Estou revoltado com o que aconteceu. Já tinha visto advogado porta de cadeia, mas essa é a primeira vez que vejo um desembargador de porta de cadeia”, disparou o tucano se referindo ao desembargador Rogério Favreto.

PUBLICIDADE

Recomendados