Invasão de escorpiões deixa região da capital em alerta

Cotidiano

10 de fevereiro de 2019 11:22

Da Redação

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Copom reduz a taxa Selic para 5,5% ao ano

PR leva a Brasília projetos em defesa das mulheres

Sauditas exibem destroços de armas e acusam Irã de ataque

Chuva chega forte ao Paraná; há registro de granizo
Torcidas fazem campanha para atleticano que perdeu a mão
Lei Maria da Penha muda e agressor ressarcirá SUS
Meteoro cai no Paraná e provoca forte estrondo
Lapa e Pinhais são os municípios com casos mais recorrentes Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Curitiba e municípios da região metropolitana registra aumento no número de incidentes envolvendo escorpiões.

Moradores de municípios da região metropolitana de Curitiba estão em estado de alerta por conta de uma invasão de escorpiões a bairros residenciais. Lapa e Pinhais são os municípios com casos mais recorrentes.

“Eles aparecem nas frestas, entram por debaixo das portas e sobem pelas paredes. Na semana passada encontrei três no meu quintal e um dentro de casa”, revela a microempresária da Lapa Zilma França, de 45 anos. De acordo com Zilma, existem vários relatos em grupos de WhatsApp formados por moradores da cidade, o que pode representar uma possível infestação.

Mesmo com os indicadores, a prefeitura da Lapa, descartou a possibilidade. O município garantiu que tem observado com cuidado as notificações recebidas. “Segundo o Departamento de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Saúde, o último caso notificado de picada de escorpião foi em 13 de novembro de 2018, onde o paciente foi prontamente atendido na UPA Municipal, não sendo necessário aplicação do soro por ordem médica. Naquele caso o paciente não apresentou evolução do quadro”, detalha, em nota.

De acordo com a Prefeitura, apesar de o animal encontrado no Centro da cidade ser de uma espécie que não oferece risco à saúde, a recomendação é que as pessoas que sejam picadas procurem atendimento médico. Além disso, ela pede para que as pessoas coloquem o aracnídeo em um pote com tampa e entrem em contato com a Vigilância Ambiental, para que sejam realizados exames.

PUBLICIDADE

Recomendados

IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização
aRede aRede
aRede
aRede