Ex-presidente egípcio morre durante audiência em tribunal

Cotidiano

17 de junho de 2019 16:09

Agência Brasil

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Anúncio sobre saques do FGTS fica para a próxima semana

 Concessões reduzem economia da reforma da previdência

MP denuncia irregularidades no fornecimento de uniforme

Paraná busca tecnologias em segurança pública
Campanha arrecada fundos para crianças carentes
Balança comercial paranaenses fecha semestre em alta
Confiança do empresário cresce em julho
Mursi se tornou, em 2012, o primeiro presidente eleito da história do Egito Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Segundo testemunhas, Mursi falou diante do juiz por 20 minutos e desmaiou. Ele chegou a ser levado para o hospital, mas não resistiu

 

O ex-presidente egípcio, Mohamed Mursi, 67 anos, morreu nesta segunda-feira (17) depois de ser vítima de um mal-estar no tribunal.

Segundo testemunhas, Mursi falou diante do juiz por 20 minutos e desmaiou. Ele chegou a ser levado para o hospital, mas não resistiu. Membro do movimento islâmico Irmandade Muçulmana, Mursi se tornou, em 2012, o primeiro presidente eleito da história do Egito.

O ex-presidente chegou ao poder um ano depois da Revolução do Nilo, desencadeada pela Primavera Árabe, que provocou a queda do ex-presidente Hosni Moubarak. Ele foi derrubado pelas Forças Armadas do país em julho de 2013, depois de uma série de manifestações populares. Com sua saída, o marechal Abdel Fattah el Sissi, seu ex-ministro da Defesa, tornou-se presidente do país.

Desde que chegou ao poder, el-Sissi conduziu uma repressão contra a oposição islâmica. Os anos que se seguiram ao golpe do Exército no Egito registravam uma série de ataques contra forças de segurança do governo, com centenas de policiais e militares mortos. Ocorreu também uma insurgência jihadista, principalmente no norte do Sinai.

Mohamed Mursi cumpria pena por ter ordenado a morte de manifestantes em 2012 e por espionagem a favor do Catar, com quem teria compartilhado diversos documentos confidenciais. Hoje (17), ele compareceria a uma outra audiência por conta de contatos suspeitos com o grupo palestino Hamas.

 

Turquia e Catar

O chefe de Estado turco, Recep Tayyp Erdogan, um dos principais aliados de Mursi, fez referências positivas ao ex-presidente egípcio, o chamando de “mártir”. As relações entre a Turquia e o Egito são praticamente inexistentes desde a sua destituição. “Como vocês sabem, o tirano el-Sissi tomou o poder no Egito acabando com a democracia de uma só vez, executando cerca de 50 egípcios. Ainda assim, o Ocidente continua silêncio”, disse.

O xeque do Catar, Tamin ben Hamad Al-Thani, também declarou “sua profunda tristeza”, depois da morte súbita de Mursi.

PUBLICIDADE

Recomendados

IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização
aRede aRede
aRede
aRede