Projeto pode proibir venda de animais em pet shops do PR

Cotidiano

17 de junho de 2019 16:35

Da Redação


Relacionadas

Moradores organizam protesto pela morte de professora

Professora é morta a tiros pelo ex-marido no interior do PR

STF condena ex-ministro Geddel a 14 anos de prisão

Suspeito de matar Rachel Genofre está em Curitiba
Eduardo Bolsonaro desiste de embaixada dos EUA
Aprovado o texto-base da reforma da Previdência
Ambev vai lançar a água mais sustentável do Brasil
Objetivo da proposta, segundo seu autor, é coibir a produção em massa de animais Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Objetivo da proposta, segundo seu autor, é coibir a produção em massa de animais

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) vota, nesta terça-feira (18), em um projeto que pode proibir a venda de animais em pet shops de todo o estado.

De autoria do deputado Luiz Fernando Guerra (PSL), o texto trata ainda da obrigação de afixação de cartazes que facilitem e incentivem a adoção responsável de animais e determina a criação de Cadastros Municipais de Comércio de Animais (CMCA).

O objetivo da proposta, segundo seu autor, é coibir a produção em massa dos animais, fazendo com que o acesso à compra, para aqueles que não optarem pela adoção, somente seja possível através dos criadouros, devidamente cadastrados junto às secretarias municipais de Meio Ambiente, que deverão promover a fiscalização dos criadouros.

Segundo a justificativa de Guerra, a proibição foi protocolada após a Polícia Militar Ambiental fechar um canil clandestino com centenas de cães em Piedade, São Paulo. Eles foram levados à ONG da ativista Luísa Mell.

Além de pet shops, a venda estaria proibida em clínicas veterinárias e estabelecimentos comerciais similares. “Desse modo, quem quiser um animal de estimação, terá de tratar diretamente com quem tem licença para criar animais ou ir a um centro de gatos e cachorros resgatados para adoção, de modo que poderá conhecer a realidade destes ambientes e como os animais são tratados, moralizando o processo de aquisição de um animal de estimação, tendo oportunidade, inclusive, de auxiliar na fiscalização do bem-estar animal”, diz a justificativa de Guerra.

Com informações do Portal Banda

PUBLICIDADE

Recomendados

IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização
aRede aRede
aRede
aRede