Projeto pode proibir venda de animais em pet shops do PR

Cotidiano

17 de junho de 2019 16:35

Da Redação

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Anúncio sobre saques do FGTS fica para a próxima semana

 Concessões reduzem economia da reforma da previdência

MP denuncia irregularidades no fornecimento de uniforme

Paraná busca tecnologias em segurança pública
Campanha arrecada fundos para crianças carentes
Balança comercial paranaenses fecha semestre em alta
Confiança do empresário cresce em julho
Objetivo da proposta, segundo seu autor, é coibir a produção em massa de animais Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Objetivo da proposta, segundo seu autor, é coibir a produção em massa de animais

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) vota, nesta terça-feira (18), em um projeto que pode proibir a venda de animais em pet shops de todo o estado.

De autoria do deputado Luiz Fernando Guerra (PSL), o texto trata ainda da obrigação de afixação de cartazes que facilitem e incentivem a adoção responsável de animais e determina a criação de Cadastros Municipais de Comércio de Animais (CMCA).

O objetivo da proposta, segundo seu autor, é coibir a produção em massa dos animais, fazendo com que o acesso à compra, para aqueles que não optarem pela adoção, somente seja possível através dos criadouros, devidamente cadastrados junto às secretarias municipais de Meio Ambiente, que deverão promover a fiscalização dos criadouros.

Segundo a justificativa de Guerra, a proibição foi protocolada após a Polícia Militar Ambiental fechar um canil clandestino com centenas de cães em Piedade, São Paulo. Eles foram levados à ONG da ativista Luísa Mell.

Além de pet shops, a venda estaria proibida em clínicas veterinárias e estabelecimentos comerciais similares. “Desse modo, quem quiser um animal de estimação, terá de tratar diretamente com quem tem licença para criar animais ou ir a um centro de gatos e cachorros resgatados para adoção, de modo que poderá conhecer a realidade destes ambientes e como os animais são tratados, moralizando o processo de aquisição de um animal de estimação, tendo oportunidade, inclusive, de auxiliar na fiscalização do bem-estar animal”, diz a justificativa de Guerra.

Com informações do Portal Banda

PUBLICIDADE

Recomendados

IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização
aRede aRede
aRede
aRede