PM sinaliza fechamento de quartéis e dá prazo ao governo

Cotidiano

17 de junho de 2019 19:09

Da Redação

  • Comentários
    0 compartilhados
  • Imprimir

Relacionadas

Anúncio sobre saques do FGTS fica para a próxima semana

 Concessões reduzem economia da reforma da previdência

MP denuncia irregularidades no fornecimento de uniforme

Paraná busca tecnologias em segurança pública
Campanha arrecada fundos para crianças carentes
Balança comercial paranaenses fecha semestre em alta
Confiança do empresário cresce em julho
Governador deve pagar um reajuste equivalente a 4,97% de reposição da inflação Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Governador deve pagar um reajuste equivalente a 4,97% de reposição da inflação

Reunidos no Clube dos Oficiais da Polícia Militar, mais de 400 policiais – a maioria da reserva – representados por 10 associações, chegaram  à conclusão de que se o governador do Estado, Ratinho Junior, não pagar o reajuste de 4,97% de reposição da inflação e não abrir um canal efetivo de negociação com as entidades, até o dia 25, haverá mobilização geral da categoria, com a possibilidade até de esvaziamento de quartéis.

Diante do impedimento legal do envolvimento do pessoal militar da ativa da Polícia Militar em movimentos caracterizados como greve, a mobilização terá característica diferenciada, onde um grupo constituído pela assembleia estudará as formas de protestos. A princípio, trata-se de um movimento grevista onde não se identifica o líder ou os líderes, mas que todos estarão atrás dos escudos da PM, como fazem em operações de rua.

“Não queremos tomar medida radical, como a greve, mas não podemos permitir que o Governo do Estado nos vire as costas depois de prometer apoio à categoria”, disse Rosa. Para o presidente do Conselho da Assembleia da AVM, Coronel Sergio Malucelli, “é preciso, neste momento, cautela e sensatez para encontrar uma negociação, pois segurança pública é uma questão que envolve todas as famílias paranaenses.  O que percebemos é que o governo parece que não está levando a sério nossas reivindicações, mesmo depois de oito reuniões”, ponderou.

Durante o encontro, onde foram apresentadas planilhas que mostram a defasagem salarial dos militares, já haviam grupos apostando no que chamam de “Operação Camélia” quando se trada de grandes ações da Polícia Militar, em especial na luta pelos seus direitos. A Camélia é flor símbolo da luta do abolicionismo que precedeu a Lei Áurea. No dia 25 de junho, a partir das 6h da manhã, equipes de PM da RR, reformados, pensionistas, familiares e simpatizantes estarão bloqueando a entrada de todas as Unidades Operacionais da PM do Estado. Somente Unidades da PM não do CCB.

Com informações do Paraná Portal

PUBLICIDADE

Recomendados

IVC Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização
aRede aRede
aRede
aRede