Creche garante direitos de recém-nascidos na prisão

Cotidiano

09 de dezembro de 2019 16:40

Agência Estadual de Notícias


Relacionadas

Câmeras de vídeo mostram acidente impactante no PR

1ªBPM entrega premiação aos vencedores de Concurso

Estado entrega novas viaturas no aniversário da PM

Ademar Traiano é reeleito como presidente da Alep
Webinar da Apras reúne mulheres empreendedoras
Pai mata filhos em acidente para não pagar pensão
Câmara deve votar auxílio ao transporte público na terça (11)
Foto: Reprodução/Agência de Notícias do Paraná
PUBLICIDADE

Na Penitenciária Feminina do Paraná, em Piraquara, Região Metropolitana de Curitiba, com instalações independentes da estrutura carcerária, está a Creche Cantinho Feliz

Logo após a entrada da Penitenciária Feminina do Paraná, em Piraquara, na Região Metropolitana de Curitiba, com instalações independentes da estrutura carcerária, está a Creche Cantinho Feliz. Todo decorado, o espaço tem o objetivo de assegurar os direitos dos recém-nascidos e estreitar os vínculos entre mães e filhos.

Para as crianças, há berços, cubas especiais para o banho, fraldário, armários, muitos brinquedos e tatames. O lugar ainda tem cozinha, lavanderia, máquinas de lavar e secar roupa, além de uma equipe técnica multidisciplinar de apoio.

“A creche tem ambientes lúdicos, que visam dar o atendimento necessário ao bebê, para que não seja privado de nada do que teria fora do sistema prisional. Os lugares são adaptados para o banho e a higienização, além disso, há salas preparadas para ele ser colocado desde cedo no chão e, assim, trabalhar com autonomia e movimento livre, mas sempre respeitando o tempo da criança”, destaca a diretora da Penitenciária, Alessandra Antunes do Prado.

Tanto a mãe quanto o bebê vão para a creche assim que recebem alta do hospital, e permanecem lá entre seis e sete meses. Durante a estada, as mães são responsáveis por todo o cuidado em relação às crianças. “Ambos permanecem na creche durante o dia e, à noite, vão para a galeria materno-infantil. Desde o primeiro dia, são elas que dão banho e trocam as fraldas, inclusive”, afirma Alessandra.

A presa e seu filho passam as 24 horas do dia juntos, com incentivo total à amamentação em livre demanda, e à criação e ao fortalecimento do vínculo.

Em uma parceria com o Departamento Penitenciário do Paraná (Depen), desde 2014, o Grupo Marista, por meio da Rede Marista de Solidariedade, mantém na unidade três educadores sociais, uma assistente social, uma enfermeira e um coordenador. A equipe multidisciplinar dá suporte às detentas, principalmente nos primeiros dias, quando as mães estão mais debilitadas.

“Os banhos são acompanhados pela enfermagem, que dá o suporte na visão da saúde, e pela educação, que mostra para as mães como o momento pode ser educativo, mas são as presas que os fazem. Depois, na introdução alimentar, são elas que preparam e oferecem a alimentação aos bebês”, explica a diretora. “Os profissionais ficam a cargo de dar suporte, orientação e aumento do repertório científico de cuidado das crianças. Passamos às mães o que tem de mais novo no mundo científico, mas não impomos nada”, diz Alessandra.

Desenvolvidas em parceria entre o Governo do Estado, o Depen e o Marista, as iniciativas possibilitaram a implantação de ações e protocolos internos e externos com a rede socioassistencial para a garantia dos direitos básicos das crianças atendidas. “Os bebês, enquanto estão na unidade, têm garantia de atendimento e acompanhamento médico e vacinação”, explica a diretora. “Como a mãe não pode sair, a enfermeira fica encarregada de levá-los às consultas com o pediatra da unidade de saúde e tirar as dúvidas das presas, que anotam tudo em papéis. Geralmente, no mesmo dia, as crianças são vacinadas e recebem os demais atendimentos necessários”.


METODOLOGIA

A abordagem que a equipe do Grupo Marista usa na unidade é a mesma usada em toda a educação infantil da rede, desenvolvida pela pediatra húngara, Emmi Pikler, referência em todo o mundo para cuidados e educação de zero a três anos. De acordo com a médica, quanto mais livre, melhor o aprendizado do bebê. “Elas explicam sobre a necessidade que a criança tem de ser tocada, acariciada e de pegar e manipular objetos, por exemplo”, destaca Alessandra, que ainda conta que as presas geralmente já tem um ou mais filhos fora do sistema penitenciário e, por isso, já chegam à unidade com certa bagagem de experiência maternal.

“Não podemos desmerecer a cultura que elas já têm, o que fazemos é ampliar o conhecimento delas, principalmente no que se refere à alimentação e cuidados básicos”, ressalta. A diretora diz também que tentam sempre mostrar a importância da comunicação com os bebês para a criação do vínculo e desenvolvimento deles. “A maioria das mães fala que, apesar de ter outros filhos, a criação era diferente. Outras riem, ficam sem graça no início, porque acham que eles não vão entender, mas vão gostando e aderindo, conforme o tempo passa”, explica.

Durante a estada na creche, as presas são incentivadas a criar o “Livro do Bebê”, com anotações das etapas de desenvolvimento da criança. “Fornecemos o material necessário, como pasta-catálogo, folhas, E.V.A., canetas e lápis de cor, e elas anotam tudo, com criatividade. Têm cartas, fotos, lembranças, varia bastante, mas as mães adoram”, conta Alessandra. Esta é uma forma de a família conhecer e entender a criança, depois da saída dela da Penitenciária.


VIDEOCONFERÊNCIA

Como as visitas presenciais são difíceis, por questões financeiras e estruturais das famílias, entre vários outros motivos, a Penitenciária Feminina faz uso as webvisitas. “Utilizamos o recurso da videoconferência para que a família extensa da criança (que inclui o pai da criança, os avós e tios) a conheça e para que o bebê possa se acostumar com rostos e vozes dos familiares”, afirma Alesssandra. Porém, ela destaca que é feito um trabalho junto à Defensoria Pública para conseguir a liberação de mãe e filho. Em 2019, por exemplo, apenas três delas foram mantidas no cárcere após a saída das crianças.

“Quando nasce, o bebê já tem uma medida protetiva instaurada e é criado um Plano Individual de Atendimento, que inclui as indicações da própria mãe sobre quem poderá ficar com o filho. No caso de a mãe não sair do sistema prisional, a rede social do município de origem da detenta fará o mapeamento e acompanhamento da família extensa, para indicar com quem ficará a guarda”, explica.

O processo de transição para a saída do bebê da unidade inicia desde que eles chegam à unidade. “A mãe sabe que, após seis ou sete meses, o filho precisa ir embora”, destaca Alessandra. “Por volta do quinto mês, os bebês que mamam exclusivamente no peito, passam também a mamar a fórmula e iniciam a alimentação complementar. É promovida ao menos uma visita familiar para que a criança se acostume com o seu tutor”. Depois, no caso de a mãe permanecer no sistema prisional, é incentivado que mãe e filho se vejam, por meio das visitas.

PUBLICIDADE

Recomendados