Mercado de seguros cresceu 12,1% em 2019

Cotidiano

13 de fevereiro de 2020 21:30

Agência Brasil


Relacionadas

Sleutjes orienta ‘sim’ do Governo em PL de auxílio rural

Julho amarelo alerta para prevenção das hepatites

Paraná será sede da maior fábrica de queijos do Brasil

PR bate novo recorde de mortes pela Covid: 58
Projeto prevê parcelamento do IPVA 2020
Mais de 700 mil receberão amanhã 1ª parcela do auxílio emergencial
Nuvem de gafanhotos não deve chegar ao Brasil, diz Mapa
Setor arrecadou R$ 270,1 bilhões, excluindo saúde suplementar e DPVAT Foto: Marcello Casal Jr / Agência Brasil
PUBLICIDADE

Setor arrecadou R$ 270,1 bilhões, excluindo saúde suplementar e DPVAT

O mercado de seguros nacional fechou o ano de 2019 com arrecadação de R$ 270,1 bilhões, excluindo saúde suplementar e o seguro de DPVAT. O aumento nominal sobre o ano anterior foi de 12,1%. Descontada a inflação, o aumento real em comparação a 2018 foi de 8,1%. Os dados foram divulgados, hoje (13), pela Confederação Nacional das Seguradoras (CNSEG).

“O resultado foi bom”, comemorou o presidente da CNSEG, Marcio Coriolano.

De 2009 a 2014, o setor de seguros brasileiro cresceu mais de dois dígitos, superando o aumento do Produto Interno Bruto (PIB, a soma dos bens e serviços produzidos no país), com maior crescimento, de 21,7%, em 2012, “quando o Brasil estava bombando”, disse Coriolano.

Com as expectativas econômicas começando a melhorar no ano passado, o setor de seguros experimentou uma recuperação significativa, mostrando mudança no perfil dos contratos, com a busca pela proteção contra infortúnios eventuais, explicou Coriolano. As provisões técnicas que garantem os riscos do sistema atingiram a cifra inédita de quase R$ 1,2 trilhão, ativos que retornam ao país sob a forma de lastro para financiamentos e pagamento da dívida pública.

Expectativas

Para 2020, as expectativas são de que o setor segurador poderá repetir o índice alcançado no ano passado, com destaque para os seguros de saúde e vida, acumulação, patrimoniais, rural, grandes riscos de engenharia e de transporte, crédito e garantia, marítimo e aeronáutico. “Esses setores vão alavancar mais os seguros”, disse Coriolano, acrescentando que tudo vai depender do aumento da produção industrial e da recuperação dos setores da indústria nacional.

Em uma avaliação pessimista, a CNSEG prevê que o aumento do setor segurador em 2020 poderá atingir 6,7%, subindo essa taxa para 13,4%, em uma perspectiva otimista. O índice será alinhado ao longo do ano, disse Marcio Coriolano, acrescentando que o avanço menor ou maior vai depender dos rumos da economia, incluindo três fatores principais, a produção, o emprego e a renda.

PUBLICIDADE

Recomendados