Brasil e EUA assinam acordo de desenvolvimento militar

Cotidiano

08 de março de 2020 16:43

Agência Brasil


Relacionadas

Gaeco denuncia donos de 13 postos no Paraná por cartel

Adoção e abandono de animais crescem na pandemia

Mega-Sena sorteia prêmio acumulado de R$ 38 milhões

Anvisa libera importação de 6 milhões de doses da Sinovac
Saúde reforça a importância da vacinação contra a poliomielite
MC Kallebe morre afogado no Rio de Janeiro
Cartórios do PR já registraram mais de 3.700 uniões homoafetivas
Assinatura do acordo ocorreu durante a visita do presidente Jair Bolsonaro ao Comando Militar do Sul Foto: Alan Santos/PR
PUBLICIDADE

Governo brasileiro avalia que novo acordo abrir caminho para aperfeiçoar ou prover novas capacidades militares

Brasil e Estados Unidos assinaram neste domingo (8), no estado americano da Flórida, um acordo na área militar para desenvolvimento de projetos futuros. O Acordo de Pesquisa, Desenvolvimento, Teste e Avaliação (RDT&E, sigla em inglês) vai, segundo o Ministério da Defesa (MD), abrir caminho para aperfeiçoar ou prover novas capacidades militares. É, segundo o ministério, um acordo que balizar os acordos posteriores entre os dois países.

“O RDT&E é um passo inicial para que Brasil e EUA desenvolvam projetos conjuntos na área de Defesa. […] Cada acordo de projeto que venha a ser desenvolvido pelas partes deverá ser executado em consonância com os termos do RDT&E, assim como os respectivos leis e regulamentos nacionais de cada parte”, afirmou o MD, em nota.

O governo brasileiro espera facilitar seu acesso ao mercado norte-americano na área de defesa, bem como facilitar a entrada de produtos brasileiros em outros 28 países da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN). A OTAN é uma aliança militar intragovernamental da qual o Brasil não faz parte, mas em agosto do ano passado, os Estados Unidos designaram o Brasil como aliado militar preferencial do país fora dessa aliança.

A assinatura do acordo ocorreu durante a visita do presidente Jair Bolsonaro ao Comando Militar do Sul, responsável por coordenar as operações militares dos Estados Unidos no Caribe, Centro e América do Sul. A previsão é de que Bolsonaro permaneça nos Estados Unidos até terça-feira (10).

Integram a comitiva brasileira, além do presidente e assessores próximos, os ministros Ernesto Araújo (Relações Exteriores), Fernando Azevedo e Silva (Defesa) e Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional), além do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), que escreveu, no Twitter, que “Brasil e EUA, antes de mais nada, trabalham para serem países prósperos, apostando no livre mercado, num Estado menor, apoiando a legítima defesa através de armas e respeitando os valores judaico-cristãos da maioria de nossas sociedades.”

PUBLICIDADE

Recomendados