Em rede social, Bolsonaro fala de lockdown no Maranhão

Cotidiano

10 de maio de 2020 19:02

Da Redação


Relacionadas

Detran-PR suspende atendimento em regiões mais afetadas pela covid

Documento digital de veículos está disponível; saiba como usar

Novo ciclone chega ao Sul e causa chuva, ventania e granizo

Sesa confirma 2.380 novos casos e 34 mortes pela covid-19
Defesa Civil levanta danos da passagem de ciclone em SC
Mais de 70 mil imóveis seguem sem energia no Paraná
Mega-Sena sorteia R$ 27 milhões neste sábado
Foto: Agência Brasil
PUBLICIDADE

Presidente fez postagem do Twitter sobre o assunto

O presidente Jair Bolsonaro compartilhou em suas redes sociais, na manhã deste domingo (10), um vídeo de pouco mais de um minuto que mostra a abordagem de um policial militar do Maranhão dentro de um ônibus, em que ele exige declaração de trabalho essencial para que os passageiros possam prosseguir viagem. A data da gravação do vídeo não está especificada. "'Documento e declaração de que vai trabalhar'"... Se não tem desce.

Assim o povo está sendo tratado e governador pelo PCdoB/MA e situações semelhantes em mais estados. O chefe de família deve ficar em casa passando fome com sua família. Milhões já sentem como é viver na Venezuela", publicou o presidente em seu Twitter, na postagem em que compartilhou o vídeo.

A Justiça do Maranhão determinou, no último dia 30 de abril , o bloqueio máximo (lockdown) das atividades nas cidades de São Luis, Raposa, Paço do Lumiar e São José de Ribamar, em função da pandemia do novo coronavírus. Pela decisão, todas as atividades não essenciais à manutenção da vida e da saúde passaram a ser proibidas por dez dias, entre 5 e 15 de maio.

O governador do Maranhão, Flávio Dino, publicou tuíte em resposta à postagem do presidente. "Bolsonaro inicia o domingo me agredindo e tentando sabotar medidas sanitárias determinadas pelo Judiciário e executadas pelo governo. E finge estar preocupado com o desemprego. Deveria então fazer algo de útil e não ficar passeando de jet ski para 'comemorar' 10.000 mortos", postou no Twitter.

As informações são da Agência Brasil.

PUBLICIDADE

Recomendados