Safra rende R$ 142 mi aos produtores do estado

Cotidiano

15 de maio de 2020 20:01

Da Redação


Relacionadas

Ambev produz equipamento médico em impressora 3D

PR não registra novos casos de sarampo há quase 80 dias

China alerta para pneumonia mais mortal que o coronavírus

Deputados defendem Major Vitor Hugo no MEC
Portaria fixa desconto de até 70% para pagamento de dívidas
Governo publica MP que libera R$ 3 bilhões para cultura
Governo investe R$ 10 milhões à obra do Hospital da Criança
Dinheiro deve aquecer a economia das regiões Sul e Sudoeste durante a pandemia Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

Dinheiro deve aquecer a economia das regiões Sul e Sudoeste durante a pandemia

A segunda safra de soja, que terminou este mês de ser colhida, rendeu aos produtores do Estado cerca de R$ 142 milhões. Deste total, 25% ficaram no Sudoeste, algo em torno de R$ 35 milhões. 

“Com o dólar alto, entra no caixa dos produtores um valor a mais, que vai ajudar bastante a movimentar a economia das regiões Sul e Sudoeste, onde se concentra praticamente a totalidade da produção de soja no Estado”, afirma o chefe da Casa Civil do governo paranaense, Guto Silva. Segundo ele, será um reforço para os municípios das regiões nesse período de retração econômica causado pela pandemia do coronavírus.

Em novembro do ano passado, a Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar) publicou nova norma prorrogando o prazo para a semeadura de soja no Estado. A portaria nº 342/2019, que estabelece o período de vazio sanitário e outras medidas para o controle da ferrugem asiática no Estado, substitui a nº 202/2017, que determinava 31 de dezembro como data limite para o plantio. A nova norma não definiu a data final para a semeadura, mas o limite para a colheita ou interrupção do ciclo da cultura terminou na sexta-feira (15). 

A prorrogação foi uma solicitação dos produtores paranaenses, já que fatores climáticos têm atrasado o plantio da soja, o que dificulta o cumprimento do calendário. Outra justificativa é que Santa Catarina permite o plantio até 10 de fevereiro, o que tem exigido harmonização de procedimentos.

Para o presidente do Sindicato Rural de Pato Branco, Oradi Francisco Caldato, essa prorrogação da colheita oferece mais estabilidade para os produtores. “A medida permite mais planejamento nas lavouras. Além disso, a área de milho na primeira safra tende a aumentar, porque será possível plantar soja um pouco mais tarde. É uma vitória de todo o Estado”, acrescenta.

A norma que entrou em vigor no final do ano passado também reforça medidas fundamentais para a sanidade vegetal. Durante o período de vazio sanitário, entre 10 de junho a 10 de setembro é proibido cultivar, manter ou permitir a existência de plantas vivas de soja em qualquer estágio vegetativo.

Colheita fecha com 20,7 toneladas

Nunca se produziu tanta soja no Paraná como na safra 2019/20. Com a colheita praticamente terminada já é possível afirmar que os agricultores paranaenses vão conseguir a façanha de colocar 20,7 milhões de toneladas da oleaginosa no mercado, segundo estimativa do Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento (Seab). Até então, a marca recorde tinha sido alcançada no ano safra 2016/17, com 19,9 milhões de toneladas.

PUBLICIDADE

Recomendados