PLATAFORMAS


EDITORIAS


SEÇÕES


PROJETOS


INSTITUCIONAL

STF libera vídeo da reunião ministerial de Bolsonaro

Cotidiano

22 de maio de 2020 17:31

Da Redação


Relacionadas

Escolas do Paraná podem ter ensino obrigatório de espanhol

Casa do Artesão realiza evento do Dia da Avó

Polícia prende líderes de igreja envolvidos em trabalho escravo

Alep recebeu mais de 1 mil denúncias sobre a vacinação
Prêmio Sebrae abre inscrições no Paraná
Caixa paga nesta sexta-feira auxílio para nascidos em junho
Sustentáveis e baratas, casas de madeira ganham espaço
A gravação é uma das provas solicitadas pela Procuradoria Geral da República no inquérito que investiga se o presidente tentou interferir na Polícia Federal. Foto: Divulgação
PUBLICIDADE

A gravação é uma das provas solicitadas pela Procuradoria Geral da República no inquérito que investiga se o presidente tentou interferir na Polícia Federal.

O vídeo da polêmica reunião ministerial do gabinete do presidente Jair Bolsonaro de 22 de abril já está disponível no site do Supremo Tribunal Federal. A divulgação acontece após decisão do ministro Celso de Mello, do STF, que tutelava a gravação.

A decisão não atendeu aos apelos da Advocacia-Geral da União, que queria que a divulgação fosse restrita aos trechos em que o presidente trata sobre a “segurança” dele. No entanto, Mello decidiu remover os trechos em que a reunião trata sobre China e Paraguai para não causar problemas com os países.

Segundo o jornalista Fernando Molica, da rede CNN Brasil, 99% do conteúdo do vídeo foi divulgado por Celso de Mello.

A gravação é uma das provas solicitadas pela Procuradoria Geral da República no inquérito que investiga se o presidente tentou interferir na Polícia Federal. Segundo o ex-ministro Sérgio Moro, Bolsonaro o pressionou na ocasião para conseguir fazer mudanças na Superintendência da PF do Rio de Janeiro com o objetivo de proteger pessoas ligadas a ele.

Em trecho, o presidente Jair Bolsonaro diz o seguinte: “esse bosta do governador de SP, esse estrume do RJ, o bosta do prefeito de manaus abrindo covas coletivas”. O ministro da Educação, Abraham Weintraub, disse que “odeia” o termo “povos indígenas”.

Com informações da Revista Fórum

PUBLICIDADE

Recomendados