Weintraub não se manifesta em depoimento à Polícia Federal

Cotidiano

30 de maio de 2020 10:59

Fernando Rogala


Relacionadas

Estado entrega de 12 mil cestas básicas para indígenas

Prazo para envio da declaração do IR termina nesta terça

Estados que tiveram lockdown reduziram mortes por Covid-19

Aparelho detecta carga de coronavírus no ambiente
MP pede lockdown em todas as cidades grandes do Paraná
Estado alcança 600 mortos pelo novo coronavírus
Inscrições para curso de Especialização terminam quarta
A PF foi ouvi-lo nesta sexta-feira (29) Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom / Agência Brasil
PUBLICIDADE

Oitiva foi determinada pelo ministro Alexandre de Moraes, do STF

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, não se manifestou durante seu depoimento à Polícia Federal (PF), ontem (29). A PF foi ouvi-lo por determinação do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes, que relata um inquérito sobre a disseminação de notícias falsas. Weintraub deveria prestar esclarecimentos sobre declarações feitas durante reunião ministerial realizada no dia 22 de abril.

O sigilo da reunião foi quebrado no âmbito de outro processo, relatado pelo ministro Celso de Mello, que investiga suposta interferência do presidente Jair Bolsonaro na PF. Ao quebrar o sigilo do vídeo, o ministro Celso de Mello disse que há aparente “prática criminosa” na conduta de Weintraub, “num discurso contumelioso (insultante) e aparentemente ofensivo ao patrimônio moral” em relação aos ministros da Corte. "Eu, por mim, botava esses vagabundos todos na cadeia. Começando no STF", diz Weintraub em trecho da reunião divulgado pelo STF na semana passada.

Após a divulgação do vídeo, o ministro da Educação publicou no Twitter que suas falas durante a reunião foram deturpadas. “Tentam deturpar minha fala para desestabilizar a Nação. Não ataquei leis, instituições ou a honra de seus ocupantes. Manifestei minha indignação, liberdade democrática, em ambiente fechado, sobre indivíduos. Alguns, não todos, são responsáveis pelo nosso sofrimento, nós cidadãos”, afirmou.

Procurado pela Agência Brasil, o Ministério da Educação disse que o processo corre sob sigilo e que qualquer informação sobre o caso deve ser requerida ao juízo da causa.


As informações são da Agência Brasil

PUBLICIDADE

Recomendados